Relação com Itabuna e Ilhéus influencia surto de covid-19 em Uruçuca

coronavírus
24.05.2020, 06:15:00
Prefeitura instalou barreiras sanitárias nas entradas da cidade (Divulgação)

Relação com Itabuna e Ilhéus influencia surto de covid-19 em Uruçuca

Cidades vizinhas são 2ª e 3ª cidades com mais casos confirmados na Bahia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O provável local de contaminação dos primeiros infectados por covid-19 em Uruçuca evidencia a relação de dependência da cidade com suas metrópoles vizinhas, Ilhéus e Itabuna. Como não possui hospital, o município dependa da regulação de seus pacientes para hospitais da região.

O município do Sul baiano tem apenas 20,5 mil habitantes e já registrou 9 mortes e 83 casos da doença (veja abaixo perfil das vítimas). É a cidade com taxa de mortalidade mais alta da Bahia, três vezes acima da média do estado. A cidade dispõe de apenas um pronto-socorro, que tornou-se foco de contaminação.

Saiba mais:
>> O drama de Uruçuca, cidade onde mais se morre de covid-19 na Bahia
>> Vítimas de covid-19 em Uruçuca tiveram problemas com regulação

O primeiro caso confirmado, segundo a prefeitura, foi de uma mulher, cujo teste deu positivo no dia 4 de abril. “Ela teve como provável local de contágio uma clínica particular de Itabuna. A paciente realizou uma consulta, voltou para Uruçuca, circulou pela cidade e uma semana depois começou a sentir dores abdominais”, conta o prefeito Moacyr Leite Júnior.

Itabuna é a 2ª cidade com mais casos na Bahia, com 706, só atrás de Salvador (7118). Ilhéus vem em 3º com 427 casos.

Por conta das dores abdominais, a mulher deu entrada no pronto-socorro de Uruçuca. "Depois ela desenvolveu dificuldades respiratórias, foi feito exame e deu positivo". A mulher chegou a ser internada, mas atualmente está curada e passa bem.

“Como no início não se suspeitava de que dores abdominais seriam sintomas de covid-19, não foi feito isolamento e algumas enfermeiras que a atenderam foram contaminadas”, lamenta o prefeito.

Os demais casos tiveram como possível local de contágio o Hospital Costa do Cacau, em Ilhéus, segundo a prefeitura. “Fizemos uma investigação do histórico daqueles primeiros pacientes, e o que encontramos em comum entre eles foi o internamento no Costa num momento recente”, dz Marcílio Luiz Souza, diretor de atenção básica de Uruçuca.

Mas há também a hipótese da transmissão por profissionais de saúde que dividem atuação entre o pronto-socorro de Uruçuca e hospitais da região. “Boa parte da nossa equipe atua também no Costa do Cacau ou no Hospital de Ilhéus”, cita Marcílio.

Medidas para conter o surto

Com o agravamento da situação da covid-19 em Uruçuca, a prefeitura endureceu as medidas de distanciamento social. Hoje no município há um toque de recolher diário das 20h às 5h, com multa em caso de descumprimento.

A prefeitura também bloqueou três das quatro entradas da cidade. Na restante, criou uma barreira sanitária. “Quem vem de outra cidade tem que preencher um formulário, dizer para onde está indo e porque”, conta o prefeito.

Cidade tem passado por desinfecções constantes (Foto: Divulgação)

As demais providências são muito semelhantes às das demais cidades: fechamento de comércios não-essenciais, uso obrigatório de máscaras nas ruas e desinfecção de locais de grande movimentação.

Segundo o diretor da secretaria de saúde, o maior problema do município está na falta de estrutura médica:

“Criamos o centro específico para atender covid-19, o que foi ótimo para separá-los dos casos gerais no pronto-socorro. No entanto, esse centro foi feito com recursos da prefeitura e tem uma série de limitações”, conta Marcílio Luiz Souza.

“Transmitimos para o núcleo de Ilhéus que seria bom termos pelo menos um ventilador portátil e um kit de intubação. Já que temos problemas de regulação, seria bom intubar o paciente enquanto aguarda transferência”, relata. “Precisamos da ajuda do Estado para comprar. R$ 50 mil (custo do ventilador) é distante do alcance do município”.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas