Renato Augusto processa irmã de Léo Moura por estelionato e furto em festa

Futebol
08.02.2017, 17:01:00

Renato Augusto processa irmã de Léo Moura por estelionato e furto em festa

Jogador contratou a irmã do lateral para prestar serviços e se deu conta de que foi roubado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A família do jogador Renato Augusto acusa a irmã de Léo Moura de estelionato e furto. A acusação dá conta de que Lívia Moura desviou pelo menos R$ 200 mil. 

A confusão começou em dezembro do ano passado, quando Renato Augusto e a esposa Fernanda Klarner organizaram uma festa para festejar um ano de casados e chamaram Lívia Moura, irmã do lateral-direito do Grêmio, para tratar da produção musical do evento - ela já havia feito o mesmo serviço no casamento, em 11 de dezembro de 2015. As família dos atletas mantinham uma amizade há 12 anos.

Renato Augusto e a esposa; Léo Moura e a irmã (Foto: Acervo Pessoal)

Para o evento, Renato Augusto solicitou que fossem contratados shows de Thiaguinho, Péricles, Belo, Rodriguinho e MC Marcinho - Péricles não compareceu, sob acusação de que não recebeu o valor combinado. Após a festa, Renato Augusto e família perceberam que havia uma cobrança excedente de pelo menos R$ 160 mil reais, além do furto de duas folhas de cheque.

Segundo Renato, ele pagou os cachês solicitados a Lívia Moura diretamente através de depósitos na conta da empresa Divershow. No entanto, parte do dinheiro não teria sido repassada aos artistas.

Para tentar minimizar o problema, o jogador efetuou os pagamentos devidos aos cantores e procurou Lívia Moura para reaver os R$ 200 mil. O valor, no entanto, pode aumentar, já que outros itens e serviços da festa estão sendo investigados.

O advogado Ricardo Braga, representante do meia, porém não obteve retorno. "A trama foi descoberta quando os cheques voltaram do banco por divergência de assinatura [um deles no valor de R$ 100 mil]. O Renato deu um prazo para a produtora prestar conta dos valores. Foram 30 dias até para evitar a exposição das pessoas. Mas ele não teve opção. O Renato não tem nada contra o Léo Moura. Tentou resolver de todas as formas, mas precisava se preservar daquilo que foi feito na festa", afirmou o advogado do atleta.

"Ele entendeu por bem registrar a ocorrência pela prática de estelionato em continuidade. Foram apurados indícios do furto de duas folhas de cheque. Existem pessoas envolvidas e ficou clara a necessidade de uma investigação policial. O interesse do Renato é esclarecer todos os fatos narrados, já que jamais imaginou que isso pudesse acontecer com uma pessoa próxima. O procedimento segue com a oitiva das testemunhas de tudo alegado e acreditamos que a quantidade de elementos coletados implicará em um indiciamento e uma futura ação penal", completou Ricardo Braga.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas