Resistência e superação: como se tornar um profissional resiliente

empregos
04.02.2019, 07:00:00
(Ilustração: Morgana Miranda/ CORREIO)

Resistência e superação: como se tornar um profissional resiliente

Esta habilidade é cada vez mais demandada pelo mercado de trabalho, veja os motivos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A cobrança insistente para bater a meta, a promoção merecida que não veio, a mudança de função que não é necessariamente onde realmente quer estar ou, em casos mais graves, situações de assédio por superiores. Essas são só algumas situações recorrentes no ambiente de trabalho que exigem do profissional uma força extra para enfrentá-las de frente. E o nome dessa habilidade é resiliência, uma das mais requisitadas pelos recrutadores na atualidade. 

Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e exigente, essa capacidade de sair mais fortalecido de uma situação de sofrimento se torna uma necessidade para o profissional que quer crescer (e sobreviver) na carreira. É o que afirma o sócio da Caminhos Vida Integral, empresa de educação voltada ao Desenvolvimento Humano, Luciano Alves Meira.  

“Um profissional resiliente é aquele que consegue lidar bem com sua própria dinâmica emocional e mental à medida que encontra pelo caminho toda sorte de dificuldades, barreiras, impedimentos, críticas justas ou injustas, sem perder o autocontrole”.

Pode parecer estranho dizer isso, mas sofrer tem lá sua vantagem, como acrescenta Meira: “O profissional resiliente aproveita essas experiências de sofrimento para aprender as lições técnicas e comportamentais, de tal modo que, quando os ventos voltam a soprar favoravelmente, ele se encontra fortalecido e pronto para continuar avançando, melhor que nunca”. 

Foi justamente o que fez a representante comercial Roseane Silva quando viu a empresa em que trabalhava entrar em crise por conta da queda das vendas e do endividamento dos clientes. Pressão do chefe, comissão menor, sem perspectiva de crescimento na organanização, e uma pergunta: o que fazer? A solução foi traçar uma estratégia para reverter o efeito dessas mudanças. 

“O clima na empresa estava péssimo e toda essa situação ainda comprometia minha comissão. Via muitos colegas se enrolando com dívidas ou buscando renda extra por conta da redução das vendas. Fora a cobrança do chefe, que chega para questionar a meta como se não houvesse nenhum desses problemas”, conta. 

Ela procurou focar mais nos clientes que não tinham problemas financeiros e reduziu o prazo do crédito para antecipar a entrada das vendas. “Fiz isso muito por conta própria, como uma maneira de garantir minha remuneração. Pensei em uma forma do retorno da venda vir mais rápido. Comecei a trabalhar por mim e bolar essas estratégias para ficar na empresa ou eu teria que correr atrás de outro trabalho”, lembra. 

Durante esse período, buscar apoio com os outros colegas foi fundamental para encontrar uma saída. “Procurar alguém para conversar ajuda muito. Em vez de lamentar a perda de meta e ficar pra baixo, eu tentei mudar isso. Se ficarmos engessados e parados no problema não tem como encontrar uma saída”.

‘Errar é humano’

Segundo a diretora de Desenvolvimento do Aluno Adtalem Brasil, Maíra Habimorad, o primeiro passo para usar a resiliência para se desenvolver profissionalmente está no autoconhecimento. “Ganhar dinheiro dá o triplo de trabalho e demanda ajustes de atuação e estratégia constantes. Nesse contexto, resiliência se torna uma das principais competências. Não há como fugir dessa realidade. Quem não tem precisa aprender, quem já tem sai na frente. O segredo é entender que estamos em construção, o tempo todo”. 

A falta de resiliência leva ao baixo engajamento e compromete, inclusive, a permanência na empresa, independente da função. “Não haverá espaço para quem não tiver resiliência. As posições que existirão para humanos serão as que exigirão capacidades exclusivamente humanas, competências como resiliência, criatividade, colaboração e empatia”, alerta.


MAIS RESILIÊNCIA NO TRABALHO

Habilidades e competências  Conheça muito bem as suas forças pessoais. Entenda o que mobiliza seus talentos e interesses. 

Reflita Não se desespere. Sempre que estiver dando tudo errado, aprenda a parar e refletir sem negatividade sobre as lições que estão sendo aprendidas. A partir dessas reflexões, o caminho é encontrar soluções. 

Retorno  Aprenda com erros pequenos e melhore suas ideias. Entenda todo feedback como oportunidade de aprendizado. Use esse retorno para melhorar cada vez mais. 

Autocrítica Se avalie constantemente. Isso não quer dizer que é preciso cobrar-se o tempo todo. O exercício é ser autocrítico - ao final de cada dia, pergunte-se mais como poderia ter sido melhor ou como ter feito diferente.  

Se fortaleça O profissional resiliente é aquele que  consegue lidar bem com sua própria dinâmica emocional e mental à medida em que encontra pelo caminho toda sorte de dificuldades e barreiras. É usar o sofrimento para sair da experiência ruim mais forte.

Seja flexível  Busque não só uma, mas diversas alternativas para vencer os obstáculos e, a partir daí, defina a melhor estratégia. Em vez de lamentar pelo  que não deu certo, aprimore o seu desenvolvimento.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas