Rock baiano é revitalizado em versões com artistas contemporâneos

entretenimento
05.01.2022, 06:00:00
Úteros em Fúria e Inkoma, banda de Pitty (fotos: (divulgação; Metal Tattoo/divulgação))

Rock baiano é revitalizado em versões com artistas contemporâneos

Projeto BA 090 foi criado por Eduardo Lubisco. Músicos antigos também participam

Eduardo Lubisco era um frequentador assíduo da cena do rock baiano nos anos 90. "Tinha bandas de características muito distintas e aquela cena foi muito profícua. Tinha muito lugar pra show: Circo Picolino, Clube da Cruz Vermelha, Casablanca... Show da Úteros [Úteros em Fúria, uma das bandas mais importantes da época] eras grandes festas, as pessoas cantavam junto... O que era aquilo?! Era brutal!" diverte-se Lubisco, que hoje vive em Madri e é professor de inglês lá.

Três décadas depois daqueles loucos anos 90, Lubisco resolveu revisitar aquela época e criou o projeto BA 090, uma série de regravações de músicas que marcaram aquela época e que foram gravadas originalmente por algumas daquelas bandas, incluindo aí, claro, a Úteros, que integra o que ele chama de sua "tríade sagrada", junto com Cascadura e Dead Billies. A Brincando de Deus também está entre aquelas com que Lubisco tem ligação afetiva.

A primeira série de regravações já está disponível no YouTube, no canal que leva o nome do projeto. Nesta primeira leva, são cinco músicas: Nicarágua (Cascadura); Reaja (Inkoma); Circo (Penélope); Inside The Beer Bottle (Úteros em Fúria) e Colemerma (Lisergia).

Irmão Carlos, Janah Ferreira, TaT e Lorenight são alguns dos artistas contemporâneos que participam das novas versões. Alguns músicos e vocalistas das antigas bandas também foram convocados e dão as caras, como Mário Jorge, baterista da Penélope; Fábio Cascadura, fundador da Cascadura e Constança Scofield, que era colega de Mário Jorge.

O BA 090 nasceu de um sonho pessoal de Lubisco, que tem hoje a música como hobby. Na regravação de Nicarágua é ele que toca o violão. "Vivi a década de 90 assistindo esses caras. Nos anos 2000, fiquei amigo de Ronei Jorge [que foi da Saci Tric e da Mutter Marie]. Depois, conheci várias pessoas da cena que eram aqueles a quem eu assistia nos palcos. Fiz o projeto e tenho uma relação de amizade ou afeto com essas pessoas", revela Lubisco.

Mas o criador do projeto queria mais que uma mera reunião de bandas. "Queria um tributo, uma celebração e registro. Era importante, além de ter pessoas das bandas, ter gente de diversas gerações pra fazer essa celebração", diz Lubisco. Era ele que fazia o contato inicila com um integrante da banda dos anos 90 e dava a sugestão inicial da música que seria regravada. Fazia a ponte entre os músicos e o vocalista e, a partir dali, deixava tudo a cargo dos artistas, sem interferir na criação deles. "Eu só dava a liga, promovia os contatos e fazia a coisa andar, porque todo mundo fazia na 'brodagem'. E todos têm os 'contrangimentos' da vida adulta pra dar conta", brinca.

Irmão Carlos, que foi colega de escola de Lubisco e o conhece há quase 30 anos, diz que acha a ideia do BA 090 muito boa, porque resgata esse "espírito de banda", já que muita coisa hoje é gravada de forma eletrônica, com o suporte do computador. "Isso é importante, porque facilita a produção de música na periferia. Mas gosto muito de bandas e meu forte como produtor é banda mesmo", diz Irmão Carlos.

O músico se lembra de quando frequentava os shows da Lisergia e via Afobá no vocal da banda. "Era um cantor que parecia comigo, era um preto cantando ali. Então, tinha a questão da representatividade. Na Dois Sapos e Meio [outra banda da época], tinha Léo Preto. Então, tinha uma diversidade já nos anos 90", defende.

A escolha da canção Colemerma foi escolhida porque, segundo Carlos, tem "tudo a ver" com o momento atual: "A letra fala do movimento neofascista do Sul do país, de estados que queriam se separar do Nordeste. Dei uma atualizada na letra, pra trazer para o momento atual". A gravação, no estúdio de Irmão Carlos, foi, para ele, uma saborosa viagem nostálgica: "Foi uma manhã de Disneylândia ver Duda Machado [baterista da Lisergia] tocando essa bateria, ver ele tocando em meu estúdio. No primeiro take, ele acertou", comemora. Na gravação, estão também Duda Brandão (guitarras), Maül Beisl (baixo) e Dani Mota (percussão).


Veja abaixo versões originais das músicas, gravadas pelas bandas dos anos 90

Nicarágua

Reaja

Lisergia

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas