Rodriguinho lembra título em 2018 e diz que acredita no Bahia

e.c. bahia
03.08.2020, 16:31:00
Atualizado: 03.08.2020, 17:44:19
Rodriguinho diz que Bahia precisa aprender com os erros da derrota no primeiro jogo (Foto: EC Bahia/Divulgação)

Rodriguinho lembra título em 2018 e diz que acredita no Bahia

Meia afirmou que Bahia vai mudar postura para ser campeão da Copa do Nordeste

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O pensamento no Bahia é um só: o título da Copa do Nordeste. Mas a missão para o tricolor ficou complicada depois que o time perdeu o jogo de ida da final, no sábado (1º), por 3x1, para o Ceará.

Para levantar a 'Orelhuda' - como a taça do Nordestão é carinhosamente chamada -, o Esquadrão precisa vencer por três gols de diferença no tempo normal, ou dois gols para levar a decisão para os pênaltis.

Diante do desafio, o grupo se apega à experiência de jogadores rodados do elenco e que já passaram por situações semelhantes. No caso do camisa 10 Rodriguinho, a história teve um final feliz.

"Pelo Corinthians eu disputei uma final de Campeonato Paulista que a gente acabou perdendo em casa, em 2018, o primeiro jogo para o Palmeiras. Uma situação até interessante porque era Roger o treinador do Palmeiras. A gente perdeu por 1x0 e teríamos que jogar na casa do adversário tendo que ganhar por 1x0 também. Acabou sendo feito, levamos para os pênaltis e fomos felizes. É possível reverter esse placar, estamos jogando dentro de casa, sei que não tem torcida, mas ela não vai nos abandonar. Vai mandar ótimas energias para a gente conseguir o resultado e para a confiança do grupo", disse o meia.

Apesar da experiência em reverter os cenários, Rodriguinho sabe que só o discurso não basta para o Bahia sair de campo campeão. Por isso, ele afirma que o time precisa ter uma postura diferente da que apresentou no primeiro jogo contra os cearenses.

"Foi um jogo que ninguém saiu satisfeito. A equipe, no primeiro tempo, demonstrou que tem qualidade, que a gente consegue jogar, que consegue criar oportunidades. Até criamos algumas oportunidades por ser final, e a lição que fica é que temos que aprender com os erros, minimizar, não errar mais como foi nesse jogo. Numa final, quando erra prejudica todo o trabalho e fica difícil para reverter depois. Lógico que é possível, eu acredito no nosso time, acredito no trabalho e vamos colocar em prática agora aprendendo com os erros", comentou.

“Vamos ter postura aguerrida, confiante. Não há espaço para a dúvida. Temos que estar muito mais confiantes nesse jogo para não errar, não proporcionar ao adversário as chances que a gente deu no último jogo. E concentrado para, quando chegar lá na frente, conseguir criar as oportunidades, tentar finalizar com o máximo de precisão possível. Precisamos fazer gols e temos que ter cuidado para não sofrer, e assim que tiver a oportunidade fazer o mais rápido possível para continuar pressionando o adversário”, continuou.

Bahia e Ceará entram em campo às 21h30 de terça-feira (4), no estádio de Pituaçu. Enquanto o tricolor tenta reverter a situação para chegar ao tetracampeonato do Nordestão, o alvinegro busca o seu segundo título do torneio. O único foi em 2015, quando superou o Bahia na final.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas