Rui adota 'marcação cerrada' contra Neto no interior, e Otto é pressionado por aliados

alô alô política
17.09.2021, 11:55:00
Atualizado: 18.09.2021, 13:46:14

Rui adota 'marcação cerrada' contra Neto no interior, e Otto é pressionado por aliados

Leia a coluna Alô Alô Política
(Foto: Divulgação)

Marcação cerrada

Quer saber a agenda de Rui Costa antes mesmo da Secretaria de Comunicação divulgar? É fácil: basta conferir a agenda da semana anterior de ACM Neto. O governador está fazendo marcação cerrada e, recorrentemente, tem ido nos lugares visitados por Neto. No último sábado, por exemplo, o ex-prefeito de Salvador foi a Feira de Santana, local onde Rui apareceu nesta quarta-feira. No início do mês, Neto esteve em Irecê e, uma semana depois, o petista foi à cidade. Nessa semana, Neto está em Ilhéus e Itabuna. Podem apostar que, em poucos dias, o governador vai providenciar uma agenda por aquelas bandas. Como se diz no futebolês, o defensor está no cangote do atacante. 

Excesso de bagagem
Todos no PT sabem que o hoje senador Jaques Wagner (PT) foi eleito governador por duas vezes quase exclusivamente pelo apoio de Lula. O problema é que o ex-presidente agora tem dado sinais que cansou de carregar esse peso extra. Lula já não esconde dos aliados que prefere o senador Otto Alencar (PSD) do que Wagner na cabeça de chapa em 2022. Mais fácil harmonizar o palanque baiano do que apostar numa candidatura que ele enxerga com poucas chances de êxito.

O Cordeiro
Otto, no entanto, tem de fazer a sua parte. Não pode aceitar passivamente o jogo de Wagner. É o que têm cobrado os aliados mais próximos dele. Reclamam que Otto costuma falar grosso apenas nas audiências da CPI da Covid no Senado, em frente às câmeras. Na disputa com Wagner, o senador do PSD tem falado bem mais fino.

O Leão 
As investidas cada vez mais incisivas do vice-governador João Leão (PP) sobre a sucessão estadual do próximo ano estão provocando a ira do senador Otto Alencar (PSD). Fontes influentes do Palácio de Ondina dizem que o ápice ocorreu essa semana, quando Leão cravou: "Eu vou ser governador da Bahia, pode escrever". A aliados, o senador teria dito que a declaração foi exagerada e cria um clima de instabilidade na base do PT. A avaliação de integrantes do PSD é que Leão estaria "esticando demais a corda", que pode ser partida a qualquer momento. "Leão quer um terreno na lua para Otto, só falta ele aceitar", diz um influente cacique que acompanha o caso. 

Reprimenda pública
Depois de ter sofrido uma reprimenda pública do próprio partido, o Republicanos, o ministro da Cidadania, João Roma, disse a aliados que está decidido a trocar de legenda. A ideia é migrar para a mesma sigla do presidente Jair Bolsonaro, que segue sem filiação. Esta semana, o Republicanos da Bahia divulgou uma nota desautorizando Roma a falar sobre candidatura a governador da Bahia em 2022. A nota foi assinada pelo presidente estadual da sigla, o deputado federal Márcio Marinho, que também está de olho em uma das vagas na chapa de ACM Neto (DEM) para o Palácio de Ondina.

Obra tamanho P
O senador Jaques Wagner tem dito aos aliados políticos que acabou essa história de obra tamanho G. A partir de agora é obra tamanho P, de prefeito. A estratégia do petista é partir para a cooptação com obras pequenas e pontuais nos municípios. O problema é que, depois de 16 anos, muitos não caem mais nessa conversa.

Cuspindo fogo
Fontes com bom trânsito no Palácio de Ondina dizem que o governador Rui Costa ficou profundamente irritado com o discurso feito pelo deputado Robinho (PP) no plenário da Assembleia. Com a metralhadora ligada, o pepista se referiu a "asfalto sonrisal" sobre obras de recuperação de estradas do governo, lembrou do caso dos respiradores e ainda disse que queria morar na propaganda do PT. O governador teria avisado à turma do "deixa disso" que não tem mais conversa com Robinho e que vai ter retaliação. O deputado, vale recordar, deixou a base governista recentemente e parece já estar bem à vontade na oposição. 

Só se for com coligação
Os deputados Alex Santana (federal) e Samuel Júnior (estadual) só irão se filiar ao PP se o Senado aprovar a volta das coligações proporcionais. Isso porque a eleição de Alex é praticamente inviável dentro do partido, já que o número de candidatos com desempenho superior ao que o parlamentar obteve em 2018 é enorme. Os dois, que são pastores da Assembleia de Deus e querem se filiar à mesma legenda, foram convidados pelo vice-governador e presidente estadual do partido, João Leão. Os parlamentares estão em processo de expulsão do PDT por apoio escancarado ao bolsonarismo.

Nada definido
Apesar do burburinho que gerou a reunião dos deputados bolsonaristas do PDT Samuel Jr. e Alex Santana com o João Leão, integrantes da oposição no estado acreditam que a dupla vai migrar para um partido aliado a ACM Neto. Republicanos e PL estão no páreo, mas outra vertente, em articulação comandada pelo deputado Elmar Nascimento, leva os parlamentares ao PSL, que pode se fundir com o Democratas. A decisão da dupla evangélica, contudo, só deve sair após a reforma eleitoral e a fusão (ou não) entre os dois partidos. 

Inferno astral
Única prefeita do PT entre as maiores cidades da Bahia, Moema Gramacho, de Lauro de Freitas, não vive seus melhores dias. Com a gestão patinando, a petista tem sido bombardeada até mesmo por seus aliados, que não estão nada satisfeitos com cortes em cargos feitos pela prefeita. Por lá, dizem que, para conquistar a reeleição, Moema encheu a prefeitura com cargos indicados pelos camaradas e, logo no começo da gestão, demitiu boa parte. Mais recentemente voltou a demitir, deixando a base enfurecida. A isso se soma a oposição na Câmara, que é pequena em número, mas tem feito barulho contra as "sapequices" da prefeita. 

De olho
Quem observa atentamente a situação é o ex-vereador Mateus Reis (PSDB), candidato a vice de Teobaldo na eleição passada. Ele já avisou a todo mundo na cidade que será candidato a prefeito em 2024 a qualquer custo: "Não abro não", tem dito.

Jurou, jurou
Principal voz do MDB da Bahia na atualidade, o ex-deputado federal Lúcio Vieira Lima negou que esteja negociando para o partido o comando da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) do estado. "Nem sei de onde saiu isso, juro, juro. Estamos conversando com todos, mas nada nos foi oferecido e nem estamos preocupados com cargos", disse. Com a saída de Nelson Pelegrino da secretaria - o petista foi para o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) - o governador Rui Costa deve iniciar o leilão para ver quem dá mais em 2022 pela Sedur.  

Má educação
Quem tem sido alvo de insatisfação é o secretário estadual da Educação, Jerônimo Rodrigues, homem de confiança do governador Rui Costa. Prefeitos e secretários municipais que se encontram com Rodrigues dizem que ele "apenas enxuga gelo" e desconhece as questões mais específicas da pasta, além de não apresentar soluções para problemas, desde a infraestrutura até fatores relacionados ao processo de ensino e aprendizagem. "Com ele, a Bahia dificilmente vai sair das últimas posições", confidenciou um representante de uma grande cidade que se encontrou recentemente com Rodrigues.

A coluna Alô Alô Política é publicada às sextas, sempre ao meio dia, nos portais CORREIO e Alô Alô Bahia. Também pode ser conferida através do endereço www.aloalopolitica.com e do Instagram @aloalopolitica.
 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas