Rui Costa comenta caso Atakarejo e avisa: 'não vou permitir milícia na Bahia'

salvador
24.05.2021, 16:10:00
Atualizado: 24.05.2021, 20:02:53
Tio e sobrinho foram entregues para traficantes, que os mataram (Reprodução)

Rui Costa comenta caso Atakarejo e avisa: 'não vou permitir milícia na Bahia'

Governador pediu investigação rigorosa no caso que deixou tio e sobrinho mortos após furto de carne

Durante visita às futuras instalações de um complexo que abrigará três unidades da Polícia Civil, o governador Rui Costa comentou o caso Atakarejo, que completa um mês nesta quarta-feira (26). “O meu pedido é que avaliem com absoluto rigor, esse e todos os casos que possam se tratar de atuação de milícia ou de grupo armado para praticar violência”, disse ele, na manhã desta segunda-feira (24), no antigo prédio da Ebal, no Vale do Ogunjá. 

No dia 26 de abril, Yan Barros e Bruno Barros foram brutalmente assassinados, após terem sido entregues a traficantes no Nordeste de Amaralina por seguranças de uma das unidades do Atakarejo localizada na região. “Não existe boa ou má violência. Tudo é violência. E isso, na Bahia, eu não vou permitir. Na hipótese de isso estar acontecendo, eu reitero ao secretário e aos órgãos competentes o máximo rigor. Não vou permitir que a Bahia tenha milícia, como existem ou outros lugares no Brasil”, declarou Rui. 

O governador disse ainda ter se revoltado ao tomar conhecimento do caso. “Não é razoável que criança ou adolescente ou qualquer outra pessoa seja entregue a traficantes para serem assassinados como aconteceu numa loja e que isso esteja pouco provável que esteja restrito a uma só loja e sim deve-se fazer parte de uma estratégia do empreendimento”, declarou. 

Investigações
Presente na visita do governador ao imóvel que vai receber as novas sedes dos Departamentos de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), além do Centro de Documentação e Estatística Policial (Cdep), o secretário de segurança pública Ricardo Mandarino falou sobre as investigações no caso Atakarejo. 

“O caso Atacakarejo está sendo investigado a fundo e nós vamos ter respostas positivas. Eu, agora, não posso dizer a linha de investigação que a gente está usando, mas a gente vai chegar muito bem, muito, muito alto. Podem estar certos disso. Não posso falar detalhes  para não atrapalhar. Não é um caso esquecido, não, está a todo vapor”, disse o secretário.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas