Sebrae e o Centro de Economia do Mar

artigo
26.02.2021, 15:50:00
Atualizado: 26.02.2021, 15:58:56

Sebrae e o Centro de Economia do Mar


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Divulgação)

A ONU proclamou os anos 2021 a 2030 como Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, colocando sob a coordenação da UNESCO. “A Década criará oportunidades para mobilizar a comunidade científica, as classes política e empresarial, e toda a sociedade para a conservação e o uso sustentável do oceano, e potencializar o alcance do ODS 14, relacionado ao oceano e vida marinha”, destacou a diretora da UNESCO no Brasil, Marlova Noleto.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostra que até 2030 está previsto um crescimento anual de 3,5% para as indústrias globais baseadas nos oceanos, com geração de milhões de empregos relacionados aos negócios do mar. O Plano de Ação Federal para a Zona Costeira (PAF-ZC), instrumento do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC), que visa o planejamento de ações estratégicas para a integração de políticas públicas na zona costeira, pode atrair atenções e investidores focando na economia a ser movimentada pela Década dos Oceanos.

O Brasil, com 17 estados e 395 municípios costeiros, ainda tem a rica cadeia produtiva do mar pouco atendida em termos de geração de conhecimento específico. As nossas universidades, em que pese o desenvolvimento de pesquisas nas áreas de oceanografia, biologia e geologia marinha, ainda não oferecem formação acadêmica em economia do mar, hoje em voga no mundo.

Para atuar sustentavelmente em um país continental o Sebrae precisa continuar a descentralizar suas decisões, como faz a Embrapa. O Centro Sebrae de Sustentabilidade - CSS [sustentabilidade.sebrae.com.br], uma referência nacional sediado em Mato Grosso, premiado internacionalmente, produz e dissemina conhecimentos na área.

Ao Sebrae Bahia, responsável por cobrir uma extensão costeira de 1.186 km (a maior entre os estados brasileiros), cabe propor a criação do Centro Nacional de Economia do Mar, sediando pesquisas, articulações globais com promoção de ações locais. Dos municípios costeiros, Salvador destaca-se na história como berço da civilização brasileira, onde as caravelas portuguesas chegavam movidas a energia eólica, única disponível na época para transportar navegadores além mar.

Exemplos fortalecem a proposta. O Fundo Europeu de Investimento (FEI), braço do Banco Europeu de Investimento (BEI), lançou uma nova parceria de investimentos destinada a startups e micro e pequenas empresas focadas na economia azul. O Portugal Blue, como é chamado, financiará 25 milhões de euros (167 milhões de reais) atraindo capital privado adicional de investidores alinhados com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e Governança Ambiental e Social (ESG).

(Foto: Divulgação)

A Marinha do Brasil, guardiã e promotora da Amazônia Azul, um rico patrimônio nacional [marinha.mil.br/secirm/amazoniaazul], já instalou o Centro Técnico de Ciência e Tecnologia, no Senai Cimatec, em Salvador, para o desenvolvimento de novas tecnologias voltadas para a área de defesa e salvaguarda da vida humana, formando o embrião do Cimatec Mar.

Os amplos espaços marítimos, especialmente as áreas de lazer e portuárias que concentram fluxos, requerem regulamentações precisas e tecnologias inovadoras para garantir cursos e a segurança necessários ao tráfego e operações. Na Década dos Oceanos, os operadores do mar estão sendo desafiados por startups que oferecem serviços inusitados.

Os espíritos do mar estão nos atraindo para a sabedoria que habita as águas de kirimure, nome que os tupinambás davam ao ‘grande mar interior’, a baía, antes de ser ofertada a todos os santos. O Instituto Kirimure, da Ufba, é um ambiente virtual onde se encontram pesquisadores, professores e estudantes para discutir os diversos elementos de pesquisa sobre a BTS.

O ‘grupo zap’ Kirimure, formado por destacados profissionais de diversas áreas da Bahia, cavaleiros e sereias que integram a Ordem de Kirimure da Távola Molhada, divulgam, cuidam e debatem diariamente - com carinho - sobre a Capital da Amazônia Azul. Juntos, com força, acesso e prestígio, apoiam várias iniciativas. O Fundo da Folia, por exemplo, criou o Parque Marinho da Barra entre o Forte de Santa Maria no Porto da Barra e o Farol da Barra, amigável para prática de lazer, natação e mergulho, com biodiversidade preservada.

O Museu do Mar, já pronto para ser inaugurado, localizado no Largo de Santo Antônio Além do Carmo, é um investimento privado do engenheiro naval e navegador Aleixo Belov,  empreendedor na economia do mar e único a fazer cinco viagens ao redor do mundo levando as bandeiras da Bahia e do Brasil para todos os povos.

Alinhado com os ODS e expressando como missão “promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e estimular o empreendedorismo”, o Centro Sebrae de Economia do Mar, na Capital da Amazônia Azul, em parceria com a UNESCO, poderá vir a ser parte ativa nesta Década dos Oceanos.

Eduardo Athayde é diretor do WWI Brasil  - eduathayde@gmail.com

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas