Senhora das nuvens de chumbo, senhora do mundo, dentro de mim

coluna vertebral
04.12.2018, 05:00:00

Senhora das nuvens de chumbo, senhora do mundo, dentro de mim


O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


Nunca fui santo. Nunca fui católico-apostólico-romano. Nunca engoli a eucaristia com aquela lisérgica dramaturgia de que bolacha insípida conteria o corpo de Cristo. Nunca acreditei que se o comungante mordesse a hóstia o sangue de JC jorraria na boca e o comungante arderia no  inferno. [De repente, barata-de-igreja-voadora – beata nascida e criada nos esgotos das igrejas – me interrompe em pleno ofício de escrever, entra pela janela, e urra:  -  Herege! Quem és tu, escritor ordinário, para duvidar do indubitável?] 

A barata-de-igreja-voadora olha para os lados, vê o canto dos santos, pega vidro de seiva de alfazema, quebra-o em mil cacos, sai em disparada, e me maldiz:  - Tu és pederasta, eu sei. Escória! Vais morrer na sarjeta picado por bicho peçonhento! [Resmungo:  - Sai de mim, abacaxi. Tomei leite agora, bruaca azeda!]
Nunca fui santo. Sempre os adorei:  lindos, coloridos, tropicalistas, psicodélicos, pintados em belas estampas emolduradas com esmero, que sempre me seduziam nos quartos e salas nos quais minha mãe os pendurava.

A invasão da barata-de-igreja-voadora é desvanecida pela lembrança dessas imagens de santos que pontuam meu universo onírico. Já adulto, habitante de cidades maiores, buscava imagens similares para enfeitar o meu imaginário. Sem porto seguro, eu abandonava essas estampas, e só às vezes conseguia transportá-las.

Em Brasília, a vontade de tê-las por perto voltou.
Pensei em escrever romance sobre garoto transviado que aspirava a santidade (baseado em fato real). Não desenvolvi
o projeto. O jovem se matou.

Então comprei livros sobre santos e formei minicoleção de imagens. A primeira compra foi Santa Bárbara, cuja efígie – (moça loira que usa coroa de microtijolos dourados e carrega nas mãos ramo de oliveira, espada e cálice) – nunca me saíra da cabeça.

Essa imagem de Santa Bárbara foi comigo. Campinas, Recife e, de novo, Brasília – onde, em 2014, manhã caótica, bati a mão sem querer na imagem de Santa Bárbara, que caiu e se partiu em dois pedaços: corpo e cabeça. Resolvi guardá-los assim. [Experts em hagiografia afirmam: Santa Bárbara foi executada por degolamento].

Aqui, onde moro há 2 anos e meio, comprei mesinha e erigi altar para os santos. Ali deitei a cabeça e o corpo de Santa Bárbara e ali jazeram por longo tempo.

Enquanto isso, escrevendo a mil para tentar pagar contas, 4 (ou 5 ou 6) mulheres de casa das cercanias ouviam música típica de lupanares em altos decibéis. Nada contra música de lupanar – tudo contra música em volume máximo. Queixei-me a familiares e a amigos, nada a fazer, a rua é pública, e em Brasil sem lei só me restou ficar quietinho.

Um dia cansei. Lembrei da imagem degolada de Santa Bárbara. Peguei cola e uni as partes. Coloquei-a, meio oculta, no meio dos caqueiros da janela – e rezei.

Não ouço música de lupanar em altos decibéis desde então. Meu ceticismo crê em milagres com reservas. Mas talvez tenha acontecido algo similar bem aqui sob o meu nariz.

[Viva Santa Bárbara. Eparrei, Iansã! Axé!]

Coluna Vertebral sai hoje no jornal impresso, em decorrência de uma falha nossa, bem no dia de Santa Bárbara. Caprichos de Iansã? Nunca se sabe.

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-veja-quais-as-areas-do-carro-que-precisam-de-maior-cuidado/
Jornalista automotivo fala sobre limpeza e como manter o veículo guardado durante a quarentena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/surto-de-lives-na-quarentena-transmissoes-ao-vivo-se-tornaram-comuns-e-ate-memes/
Confira também uma lista de perfis para acompanhar os 'ao vivo'
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/autor-de-video-compartilhado-por-bolsonaro-pode-pegar-6-meses-de-prisao/
Gravação trazia informações falsas sobre desabastecimento de alimentos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/abner-pinheiro-publica-foto-com-bebe-nunca-vou-desistir-de-voce/
Briga após influencer baiano descobrir que não é o pai de sangue de bebê foi o assunto mais comentado nas redes sociais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-polemica-com-teste-de-dna-e-traicoes-sthe-vai-processar-abner/
Briga após influencer baiano descobrir que não é o pai de sangue de bebê foi o assunto mais comentado nas redes sociais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-live-com-miley-cyrus-anitta-e-chamada-de-icone-pop-brasileiro/
Cantoras conversaram via Instagram e dançaram Rave de Favela
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ajustes-deixaram-a-ranger-mais-competitiva/
Em vídeo, Antônio Meira Jr., explica o que mudou na picape da Ford
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-teste-de-dna-e-traicoes-abner-e-sthe-ganham-mais-de-16-mi-de-seguidores/
Treta após baiano descobrir que não é o pai de sangue de bebê foi o assunto mais comentado do mundo nas redes sociais
Ler Mais