Sindicato dos Bancários reclama de falta de segurança nas agências

minha bahia
08.01.2019, 15:32:00
Atualizado: 08.01.2019, 17:20:20
(Mauro Akin Nassor)

Sindicato dos Bancários reclama de falta de segurança nas agências

Nesta manhã, ladrões roubaram um malote com R$ 450 mil da Caixa Econômica de Periperi

O Sindicato dos Bancários do Estado da Bahia se manifestou após o assalto a banco, na manhã desta terça-feira (8), em Periperi, e reclamou da falta de segurança nas agências bancárias. Por volta das 9h30, quatro bandidos armados roubaram um malote da Caixa Econômica com R$ 450 mil. O crime aconteceu na Praça da Revolução e deixou feridos.

O presidente da instituição, Augusto Vasconcelos, reforçou a necessidade de mais investimento na proteção de quem trabalha em agências bancárias e de quem as frequenta. 

“Vigilantes bancários e clientes estão expostos a quadrilhas cada vez mais armadas e especializadas nesse tipo de crime, o que exige mais investimentos por parte dos bancos e poderes públicos, para coibir essa prática”, declarou.

No assalto desta manhã, quatro homens armados roubaram um malote de dinheiro de uma agência da Caixa Econômica em Periperi. Na ação, um vigilante e uma cliente do banco foram atingidos por tiros disparados pelos bandidos, segundo informações da Polícia Militar. 

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que houve uma redução no número de ataques a instituições bancárias nos últimos três anos. "O trabalho integrado da polícia baiana resultou em reduções consecutivas nos três últimos anos. Em 2018, os roubos a banco caíram 38,9%. Em 2017, a queda foi de 6,1% e, em 2016, a diminuição ficou em 54,4%”, informa a nota.

Augusto Vasconcelos reconheceu a redução, mas, além de considerar o número ainda bastante alto, reclamou da falta de cumprimento de promessas feitas ao sindicato.

“Estamos cobrando do governador uma atuação mais efetiva no combate aos crimes que envolvem instituições financeiras, já que a repercussão atinge toda a sociedade. No ano passado, tivemos uma reunião com o governo, que prometeu mais empenho. A gente reconhece que a Polícia Civil e a Polícia Militar estão mais eficazes. Em 2017, foram 92 ocorrências, entre assaltos, arrombamentos, explosões e tentativas frustradas. Em 2018, tivemos 52 ocorrências, representando uma redução significativa. Mas ainda é um número muito alto”, pontuou.

Vasconcelos disse ainda que as instituições financeiras investem apenas 6,5% dos seus lucros em segurança. Além disso, deste montante, 90% são direcionados para a proteção das transações pela internet, sobrando pouco para novos investimentos na proteção dos carros-fortes, agências e caixa eletrônicos.

“O que querem é estimular cada vez mais as transações pela internet. Querem reduzir os custos operacionais, como a manutenção de agências e salários dos funcionários”, concluiu o sindicalista.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas