STJD ouve árbitros sobre acusação de racismo contra Ramírez

e.c. bahia
25.01.2021, 15:14:00
Atualizado: 25.01.2021, 15:20:51
Ramírez nega ter chamado Gerson de negro. Leitura labial feita pelo Bahia não identificou injúria (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

STJD ouve árbitros sobre acusação de racismo contra Ramírez

Inquérito que apura denúncia do volante Gerson foi iniciada pelo órgão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), iniciou nesta segunda-feira (25) o inquérito instaurado para apurar a denúncia de injúria racial feita pelo volante Gerson, do Flamengo, contra o meia Juan Pablo Ramírez, do Bahia, que nega a acusação.

Nesta segunda-feira, foram ouvidos o trio de arbitragem e o delegado da partida entre Bahia e Flamengo. A sessão aconteceu na sede do STJD, no Rio de Janeiro. Estiveram presentes o árbitro Flávio Rodrigues de Souza, os auxiliares Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis e o delegado Marcelo Vianna.

O técnico Mano Menezes, que era treinador do Bahia na época da partida, também seria ouvido, mas pediu para o depoimento ser de forma virtual e uma nova data será agendada.

Já volante Gerson e Ramírez vão prestar depoimentos no dia três de fevereiro. Além de Gerson foram intimados ainda o atacante Bruno Henrique e o zagueiro Natan como testemunhas. O trio será ouvido às 10h30, enquanto o jogador tricolor deve ser apresentar às 14h30.

Vale lembrar que no mesmo dia do depoimento presencial de  Ramírez no STJD, no Rio de Janeiro, o Bahia tem compromisso contra o Fluminense, na Fonte Nova, pelo Campeonato Brasileiro.

Após o inquérito, o STJD decidirá se fará denúncia sobre o caso ou não.

O caso
A confusão entre Gerson e Ramírez aconteceu durante a vitória do Flamengo sobre o Bahia, por 4x3, pelo Brasileirão, no Maracanã. Após o jogo, o volante do Flamengo afirmou que o colombiano teria falado para ele: 'cala boca, negro'. Gerson chegou a reclamar com a arbitragem e discutiu com o técnico Mano Menezes, que minimizou a situação.

Ramírez negou ter chamado Gerson de negro. Após a acusação, o Bahia afastou o meia das atividades e iniciou processo de apuração interna. Sem a comprovação da injúria, o colombiano foi reintegrado ao elenco.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas