Tá chegando a hora do Pan de Lima

ivan dias marques
23.07.2019, 05:00:00

Tá chegando a hora do Pan de Lima


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Pan-Americano de Lima será a primeira competição esportiva - entenda-se com uma gama de esportes - que o Brasil verá e competirá após os Jogos Olímpicos do Rio-2016. A curiosidade é para saber como será a relação dos brasileiros com seus atletas, já que, por enquanto, não há empolgação com a competição.

Em Lima, o Brasil terá uma delegação menor que Toronto-2015, onde conseguimos o brilhante 3º lugar no quadro geral de medalhas, algo que não era conquistado desde 1967. O grande desfalque será nos esportes coletivos, em que o país participará de menos da metade dos oferecidos.

Estaremos de fora, por exemplo, do basquete masculino, do futebol masculino e feminino (este mais pelo regulamento esdrúxulo da Copa América do que por incompetência), rúgbi sevens e beisebol.

O basquete masculino e o futebol masculino, representado pela seleção sub-20, são as maiores vergonhas, pois estavam em competições classificatórias em que o Brasil, por sua tradição e adversários, tinha obrigação de ter uma boa performance.

De qualquer forma, o custo/medalha para o Comitê Olímpico do Brasil diminui, o que é importante em dias de vacas magras e com o fim do Ministério do Esporte e de algumas políticas de incentivo à base e aos atletas de ponta.

Os esportes coletivos possuem grandes delegações, mas contribuem com apenas uma medalha no quadro, mesmo número dos esportes individuais.

Em alguns esportes, o Pan serve de ótimo parâmetro. No BMX feminino, as melhores atletas do mundo são das Américas e a competição terá um índice bastante alto. Em algumas categorias do judô, os rivais de Argentina, Canadá, EUA e Cuba são dos melhores do mundo, assim como no boxe e no tiro com arco.

Serão 14 esportes com classificação direta para Tóquio-2020, incluindo aí alguns em que o Brasil tem boas esperanças no Japão, como o tênis de mesa (Hugo Calderano), vela (na Laser), hipismo e handebol.

Em outros esportes, como atletismo, badminton, levantamento de peso e caratê, o Pan de Lima servirá para dar pontos no ranking mundial, que serve como classificatório para Tóquio. No caso da natação e do atletismo, os índices olímpicos alcançados também valerão.

Para os baianos, o Pan será muito bom de ser acompanhado. Temos atletas que brigarão pelo pódio e pelo ouro na canoagem, na maratona aquática, no boxe, na natação e na vela, além de outros que podem surpreender. Alguns dos nossos melhores representantes da atualidade, como Isaquias Queiroz, Erlon Souza, Ana Marcela Cunha e Breno Correia, estarão competindo, além de termos atletas em esportes coletivos (basquete feminino e vôlei masculino).

Fenômeno
Por falar em Ana Marcela, que fenômeno essa mulher é! Aos 27 anos - apenas - já é tetracampeã mundial dos 25 km na maratona aquática, além de ter vencido também os 5 km. Terá um ano para se preparar para os 10 km, prova olímpica da modalidade. Só falta essa medalha para Ana Marcela completar sua coleção.
 

Ivan Dias Marques é subeditor de Esporte e escreve às terças-feiras

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas