Tcheca que transou com ladrão narra momentos de tensão: 'Isso salvou minha vida'

em alta
29.01.2021, 08:00:02
Atualizado: 29.01.2021, 11:30:30
Soňa não quis mostrar seu rosto (Foto: Reprodução / Noviny)

Tcheca que transou com ladrão narra momentos de tensão: 'Isso salvou minha vida'

Mulher percebeu que essa seria a única forma de segurar o assaltante até a chegada da polícia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Ela estava no lugar errado e na hora errada, e a forma que encontrou para escapar do problema foi extremamente incomum. Soňa, tcheca de 36 anos, contou em entrevista à emissora Noviny, da Eslováquia, detalhes dos momentos em que transou com um ladrão até a chegada da polícia.

Tudo aconteceu na madrugada da última quarta-feira (27) em um posto de gasolina da cidade de Bratislava. A mulher estava fumando encostada na parede da loja de conveniência, do lado de fora, quando viu um funcionário sair correndo dizendo que o estabelecimento estava sendo assaltado.

Logo após ela viu o assaltante, que pensou que a tcheca fosse funcionária e a arrastou pra dentro da loja. Lá ele a forçou a abrir um cofre, enquanto dava alguns golpes na cabeça. 

"Quando não consegui abrir o cofre, ele foi agressivo. Me deu um tapa e me bateu", lembra. Com medo de ele não acreditar que ela não era funcionária do local, ela, por instinto de sobrevivência começou a flertar com ele.

"Primeiro tirei minha camisa como se fosse para abrir o cofre, dando mais aderência. Isso fez ele prestar atenção em mim. O tranquilizei com os olhos e também brinquei um pouco com ele, como se não conseguisse abrir", lembrou Soňa em entrevista à emissora.

Com a situação ficando cada vez mais perigosa, ela entendeu que não conseguiria distrair o jovem apenas com aquela cena de exibicionismo. Então ela partiu para uma abordagem mais prática.

"Eu tive que fazer isso, naquele momento, por instinto de sobrevivência e autopreservação. Flertei mais intensamente com ele, e o assaltante me agarrou. Ele estava completamente louco e eu consegui acalmá-lo desta maneira.

Soňa contou que não sobrou nada a não ser começar a praticar sexo oral no bandido enquanto esperava por ajuda. A mulher, que estava tensa, conta que teve que relaxar também para "fazer bem feito", pois se estivesse ruim o ladrão poderia "acordar" do transe.

"Então eu dei meu máximo. Estava morrendo de medo que ele acordasse do delírio", acrescentou.

Poucos momentos após isso, Soňa percebeu que a polícia havia chegado e os encontrou nus, deitados no chão da loja. A tcheca então o agarrou pelo pescoço para imobilizá-lo. 

A polícia então o prendeu e levou o homem, um sérvio identificado como Maksima, de 23 anos, para a prisão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas