'Temia ter de lavar o cabelo e voltar à realidade do pixaim'

textão
08.12.2019, 04:40:00
Atualizado: 08.12.2019, 07:30:11

'Temia ter de lavar o cabelo e voltar à realidade do pixaim'

Senta que lá vem...

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Durante a maior parte da minha vida eu me senti confortável com a denominação de “ parda”. Tive privilégios socioeconômicos tive acesso a espaços cujo tratamento raramente seria direcionado a uma pessoa negra. Pelo menos negra de verdade, sabe?Pele escura, nariz largo, gengiva protuberante, os traços estereotipados a imagem que temos no imaginário social. Mas, não posso negar que, com o passar dos anos e o ganho de maturidade, eu notava sim, uma diferença. Por mais morena, parda, meio termo, café com leite, mulata e todas as outras pseudo classificações em que eu tentasse me encaixar, eu não me sentia igual ao resto. E por que? Porque eu não era interpretada da mesma forma.

Por mais incluída que eu estivesse em determinado espaço, eu não sentia a mesma autoconfiança que as minhas amigas da pré-escola e do Ensino Fundamental sentiam. Para eu me sentir bem comigo mesma, ainda que na mais tenra idade, era um esforço homérico. Eram horas em salões de cabeleireiro tendo o couro puxado e queimado com mil parafernálias diferentes, com os olhos ardendo e garganta fechando por conta dos produtos químicos aplicados em uma menina de seis anos que mal sabia o que estava fazendo lá dentro. Mal sabia, mas quando saia era só felicidade. Jogava o cabelo liso para lá e para cá como uma vitória, e temia o dia de ter que lavá-lo e retornar a realidade.

(Foto: Florian Boccia/ Divulgação)

A realidade do cabelo duro, bombril, pixaim, de empregada, como eles diziam. A realidade que me fazia morrer de vergonha de ir pra escola e suportar toda aquela dor nos salões com um sentimento de gratidão apenas por pensar no quão satisfatório seria o resultado.

A questão aqui não é que pessoas brancas estejam isentas da opressão de padrões estéticos. Mas é preciso que entendamos que até mesmo este universo é subdivido. Que determinados tipos de exigências são exclusivos a dados grupos de pessoas. E que se engana quem acha que o racismo só age diretamente naquela imagem pronta que já temos do que é ser negro no Brasil.
Pra mim esse desfile foi mais uma vitória conquistada com o suor do meu esforço e foi um prazer representar várias meninas que passam pelo que já passei na vida .#afrofashionday2019 #euvenci

*Vanessa Amorim é modelo e participou pela primeira vez do Afro Fashion Day em 2019. Texto publicado originalmente no Instagram.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas