Tempo instável obriga soteropolitanos a mudarem de hábitos

salvador
11.05.2018, 15:00:00
Atualizado: 11.05.2018, 17:20:23
Ventos intensos e temperaturas baixas lembraram o inverno (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Tempo instável obriga soteropolitanos a mudarem de hábitos

A previsão é que sol e chuva continuem se alternando no fim de semana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Pela manhã, aquele sol forte. Você calça um sapato rasteiro, põe uma camisa mais fresca e vai trabalhar, mas quando é no meio da manhã o tempo fecha. Chuvas tão fortes que provocam até alagamentos, ventos intensos e temperaturas mais baixas. O outono é o tempo da imprecisão em Salvador, e essas mudanças bruscas têm obrigado os baianos a andarem prevenidos para o inverno e o verão ao mesmo tempo.

Chuva começou a cair desde o início da manhã (Foto: Gil Santos/ CORREIO)

A vendedora Juliana Oliveira, 27 anos, sai de casa sempre pela manhã e retorna apenas no final da tarde. Para ela, essas mudanças climáticas provocam indecisões.

"Eu nunca sei qual é a roupa certa para usar. Fico em dúvida se devo levar a jaqueta ou se deixo em casa. Não gosto de andar com sombrinha, mas também não quero ser pega desprevenida. Olho pela janela e penso 'Ah! Está sol. Vou de rasteirinha', mas aí começa a chover e meu pé fica encharcado. É terrível", afirmou, rindo.

Já a estudante Aline de Jesus, 29, sempre leva uma blusa mais fresca na mochila, mesmo quando o dia está chuvoso. "Às vezes, eu saio de casa com um casaco e camisa de gola alta porque está chovendo, mas quando é no meio do dia abre aquele sol forte de praia. Se ficar muito quente, eu troco de roupa", contou. 

Nesta sexta-feira (11), o tempo foi mais constante. Salvador tem registrado chuva desde o início da manhã, e a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é que o tempo permanecerá fechado nesse fim de semana. A temperatura mínima prevista para esta sexta-feira foi de 22°C, enquanto a máxima não deve passar de 29°C - a mínima registrada em 2018 até hoje foi 22°C no dia 23 de abril, segundo dados do Inmet. Segundo Cláudia Valéria, o Dia das Mães será molhado. “Não está previsto nenhum volume de chuva significativo, mas vai ter sempre essa chuvinha. Não muda quase nada em relação aos últimos dias”, afirmou a meteorologista.

Meteorologista do Inmet, Cláudia Valéria afirmou que as mudanças bruscas no tempo são comuns nesta época do ano. Essas oscilações fazem parte do outono baiano. O Inmet registrou hoje em Salvador volume de chuva de 73,4 mm – a média esperada para o mês de maio é de 359,9 mm.

“Isso significa dizer que não teve nenhum dia até hoje que não tivesse ocorrência de chuva, mas a chuva tem sido fraca e tivemos dias intercalados com abertura de sol”, explica.

Poucas pessoas foram à praia (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Onde choveu mais
O bairro do Cabula foi onde mais choveu. Segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), a região registrou 25,48 mm nas últimas 24h. Em segundo lugar, apareceu Tancredo Neves, com 21,4 mm. Ele foi seguido de Alto do Coqueirinho (18,8), Mussurunga (17,4) e Caminho das Árvores (17,35). 

A Federação foi o bairro menos castigado pelas chuvas. A região registrou apenas 1,79 mm nas últimas 24h. Em Cosme de Farias, também não choveu muito, 2,58 mm. Sendo seguido pelo Centro de Salvador (2,97), Monte Serrat (3,16) e São Tomé de Paripe (3,6).

Na Barra, o vento forte balançou os coqueiros, e as areias da praia ficaram quase desertas. Muita gente retirou os casacos e agasalhos do armário e enfrentou a chuva. O trânsito registrou pontos de congestionamento, e alguns trechos da cidade ficaram alagados.

Até as 17h05 dessa sexta, a Defesa Civil do Salvador (Codesal) registrou 59 ocorrências, sendo oito alagamentos de imóvel, três desabamentos parciais, 13 deslizamentos de terra e cinco infiltrações. Não houve registro de feridos. O órgão está de plantão 24 horas pelo telefone 199.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas