Tenente-coronel apontado como chefe de milícia recebe honraria

satélite
30.10.2020, 07:30:00

Tenente-coronel apontado como chefe de milícia recebe honraria

Por Jairo Costa Júnior

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Apontado como chefe de uma milícia composta por policiais militares acusados de praticar homicídios, extorsões, torturas e tráfico no sertão baiano, o tenente-coronel Carlos Humberto da Silva Moreira, também conhecido como Humberto Cachorrão, recebeu a mais alta honraria concedida pela Assembleia Legislativa, a Comenda 2 de Julho, quando já liderava a suposta organização. Afastado ontem da PM e alvo de buscas durante a Operação Alcateia - deflagrada pelo Ministério Público do Estado (MP), em conjunto com uma força-tarefa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) -, Cachorrão teve a comenda aprovada no plenário da Assembleia em 23 de outubro de 2018. À época, ele comandava o 20º Batalhão da PM, em Paulo Afonso, onde grande parte da milícia atuava. 

Mãe da ideia
A proposta para conceder a honraria ao tenente-coronel, apresentada em 30 de maio de 2017,  foi de autoria da deputada estadual Fabíola Mansur (PSB), candidata a vice-prefeita de Salvador na chapa da Major Denice Santiago (PT).

Segunda pele
No texto em que propõe a concessão da honraria, Fabíola Mansur descreve Humberto Cachorrão como “um dos maiores exemplos de amor à profissão, à Polícia Militar, à Bahia e ao Brasil, pela sua grande trajetória de vida e extrema dedicação à segurança pública em nosso país”. De acordo com as investigações a cargo do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado do MP (Gaeco), responsável pela operação, a milícia agia desde 2017, ano em que o tenente-coronel assumiu a PM de Paulo Afonso. No entanto, as suspeitas contra Cachorrão só começaram a ser apuradas após ele deixar o comando da unidade, em julho de 2019.

Compasso de espera
A Mesa Diretora da Assembleia aguarda apenas o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) indicar quem ocupará as vagas dos deputados estaduais cassados Marcell Moraes (PSDB), Targino Machado (DEM) e Pastor Tom (PSL), para dar posse definitiva aos três suplentes. Segundo apurou a Satélite, o TRE garantiu encaminhar os nomes ontem, mas até o fechamento desta edição a lista não havia chegado à presidência da Casa. Só depois que a Corte definir oficialmente os herdeiros dos mandatos, o processo de substituição será iniciado.

Roda da fortuna
O volume de dívidas tributárias renegociadas junto à prefeitura de Salvador por meio do novo Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) ultrapassou a casa dos R$ 500 milhões. Ao todo, foram firmados com contribuintes 16.403 contratos - 7.021 deles em parcela única. O que representa R$ 38 milhões pagos de uma vez. Somente ontem entraram no caixa da prefeitura cerca de R$ 6,5 milhões.

Menos é mais
Para a Secretaria Municipal da Fazenda (Sefaz), a inadimplência do novo PPI deverá ser menor que a do anterior, pois os juros agora têm como base a taxa Selic, atualmente em 2% ao ano. Antes, era adotado o IPCA, índice da chamada inflação oficial, bem mais alta. A mudança é tida pela Sefaz como fundamental para o sucesso do programa.

"É óbvio que nós entendemos  as dificuldades financeiras do governo federal, mas neste momento o poder público não pode abandonar milhões de famílias em necessidades terríveis" - Igor Kannário, deputado federal pelo DEM da Bahia, ao defender a manutenção do auxílio emergencial em R$ 600

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas