Tentando 'empurrar' as dívidas? Veja 10 medidas adotadas por bancos na pandemia

coronavírus
15.04.2020, 06:00:00
Caixa está entre os bancos que estão renegociando prazos, inclusive de financiamentos (Foto: Arisson Marinho/ CORREIO)

Tentando 'empurrar' as dívidas? Veja 10 medidas adotadas por bancos na pandemia

Febraban já registrou 2 milhões de pedidos de prorrogação; Caixa tem recorde de solicitações

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma mensagem de SMS do banco nunca tinha provocado uma sensação de alívio tão grande na personal trainer Débora Leite. Com o fechamento das academias, ela, que é autônoma, estava preocupada em como garantir o pagamento do financiamento do seu carro. “O banco enviou o torpedo oferecendo a possibilidade de jogar a próxima parcela para 60 dias. Não pensei duas vezes e entrei logo em contato”, afirma.

Débora paga R$ 500 por mês de uma linha de crédito dividida em 36 parcelas. “Com sou autônoma e sem a previsão de quando as academias voltam a funcionar, preferi jogar esta dívida para frente. Minha próxima parcela ficou para junho. Espero já ter voltado a trabalhar”.

Débora conseguiu um prazo maior para pagar o financimento do carro
(Foto: Acervo Pessoal)

O pagamento das contas tem sido a dor de cabeça de muita gente que viu a renda cair de março para cá. E é nos bancos que estão mais da metade das dívidas dos consumidores (52,69%), segundo o SPC Brasil. Em seguida vem o Comércio (17,49%) e Comunicações (11,94%). Diante deste cenário a Federação Nacional dos Bancos (Febraban) já contabilizou, desde o início do mês, mais de dois milhões de dívidas renegociadas no país.

“Inevitavelmente esta pandemia afeta fortemente as finanças de todos, pessoas físicas e jurídicas. O importante é solicitar a pausa para evitar ficar com os contratos vencidos e com isso a cobrança de juros de mora muito elevados”, pontua o diretor executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Com base em levantamento parcial feito pela entidade, os valores dessas renegociações chegam a R$ 200 bilhões. A Caixa Econômica lidera, registrou  1 milhão de pedidos em contratos habitacionais, com oferta de R$ 111 bilhões em créditos e carências de até 90 dias. Em seguida, vem o Bradesco (635 mil pedidos), Itaú (302,3 mil pedidos), Banco do Brasil (200 mil pedidos) e Santander (80,9 mil pedidos).

Condições

Entre as condições está carência de 2 a 3 meses no vencimento de parcelas em várias linhas, como crédito pessoal, imobiliário, com garantia de imóveis, para aquisição de veículos e capital de giro. O CORREIO listou 10 condições especiais que os bancos e também as fintechs estão ofertando e que podem ajudar os consumidores neste momento (veja mais detalhes abaixo). 

No entanto, antes de partir para a negociação, vale rever todo o orçamento e  o custo desta prorrogação. “Alguns bancos pausam as parcelas e o valor que não foi pago será incorporado ao saldo devedor e incluídas nas parcelas futuras e o restante das parcelas terão uma pequena elevação", diz Oliveira, que recomenda: "É fundamental analisar todos os detalhes da oferta”.

Foi o que fez o designer, Wilton Nascimento. Com 95% do financiamento do imóvel quitado, as próximas parcelas seriam maiores. “Esse mês seriam duas prestações de R$ 700. Liguei e fui bem honesto ao solicitar que o valor da prestação fosse revisto”, conta. Ele conseguiu ajustar o valor total que faltava para concluir o pagamento com um sinal de R$ 700 e as últimas cinco parcelas para quitar  R$ 600. 

Alternativas
Ainda que na maioria dos casos os bancos tenham estendido o prazo de pagamento para 60 dias, instituições como o Banco BMG esticaram o período do financiamento por um tempo bem maior: o empréstimo consignado parcelado em 72 meses pode ser prorrogado para 84 meses.

Para aqueles que estão angustiados com os juros, principalmente do cartão, que é a linha mais cara atualmente (263,71% ao ano), o Nubank conseguiu reduzir em 80% a taxa que praticava, derrubando para 1,9% ao mês.

“O atual momento traz impactos financeiros para milhões de brasileiros. Queremos atravessá-lo ao lado dos clientes, com ainda mais empatia e solidariedade", afirma David Vélez, CEO e fundador do Nubank.

As faturas fechadas desde o dia 1 de abril podem ser parceladas em até 12 vezes. E  Também está dando cupons de descontos para o Rappi e iFood e vouchers de terapia online para os seus clientes acessarem a plataforma Zenklub, que conecta terapeutas, psicólogos e psicanalistas.

“Desde que foi lançado, há pouco mais de duas semanas, o movimento já ajudou milhares de clientes por meio dos parceiros anunciados - disponibilizando alimentos, produtos de limpeza e higiene, além do tele atendimento médico e psicológico”, completa Vélez.

Dez medidas adotas pelos bancos por conta da pandemia

1. Banco Original A fintech vai pagar R$ 60 a mais do auxílio emergencial para clientes da instituição, ou seja 10% do benefício de R$ 600 que será creditado pelo governo. Também como parte das medidas, a instituição anuncia 90 dias de prorrogação no pagamento para qualquer cliente com empréstimo pessoal.

2. Banco do Brasil O BB está oferecendo carência em linhas de crédito para clientes pessoa física. É possível ter até 180 dias para pagar a primeira parcela em novos contratos ou renovações de empréstimos. A possibilidade de renovação está disponível nos canais digitais.

3. Caixa O banco reduziu os juros e está possibilitando também a pausa no pagamento das dívidas, por até 60 dias. Nas prestações de novos contratos habitacionais, o prazo é de seis meses. Contratos mais antigos, três meses. Quanto Ás taxas, as linhas de crédito pessoal para o consignado começam em 0,99% ao mês (a.m). O penhor, a partir de 1,99% a.m., e CDC (crédito pessoal) a partir de 2,17% a.m. A solicitação da pausa pode ser feita pelo site www.caixa.gov.br/caixacomvoce ou pelo aplicativo do banco.

4. Itaú A prorrogação de dívidas por 60 dias é válida para clientes em dia com o banco. Durante este período, será mantida a mesma taxa de juros, sem a cobrança de multa.

5. Santander Clientes com parcelas de dívidas vencidas e não pagas desde o último dia 16 de março ou que tenham prestações a vencer até 15 de maio podem ter o prazo para o pagamento automaticamente prorrogado por até 60 dias, sem qualquer acréscimo. Já a fatura do cartão com vencimento a partir de 15 de abril (quarta-feira) poderá ser dividida em até 24 vezes, com desconto de 50% na taxa e até 60 dias de carência. O financiamento de veículos é mais uma despesa com possibilidade de ser prorrogada.

6. Bradesco O banco pode prorrogar por 60 dias as prestações de financiamento para os clientes que estão em dia. A taxa de juros inicialmente contratada será mantida e haverá a cobrança proporcional dos juros, considerando a carência para o período restante da operação. É preciso baixar formulário no Internet Banking, assinar e enviar por e-mail para a agência do cliente.

7. Nubank A fintechs reduziu taxas e aumentou os prazos e  adotou outras medidas como cupons de descontos para o Rappi e o iFood, por exemplo, além de dar  vouchers de terapia online para os seus clientes acessarem a plataforma Zenklub. A liberação é feita via  canais de atendimento do banco digital. Na fatura que pode ser parcelada em 12 vezes, a taxa do cartão de crédito cai para 1,9%. O Nubank ainda ampliou o prazo do empréstimo pessoal para até 60 dias com a mesma taxa, sem multas e IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras).

8. Agibank A fintech está renegociando empréstimos com menores taxas e maior prazo para pagamento. Outra medida contempla os clientes está nas faturas com vencimento a partir de 15 de abril. Eles podem parcelar o valor com juros reduzidos para 1,99% ao mês.

9. Supersim A fintechs de crédito lançou o empréstimo com aparelho de celular como garantia. O crédito é aprovado em 30 segundos e o valor do empréstimo contratado pode variar de R$ 500 a R$ 3 mil.

10 Banco BMG A instituição financeira está com redução das taxas de empréstimo consignado (de 2,08% para 1,8% a.m.) e do cartão de crédito consignado (de 3% para 2,7% a.m.). O prazo foi prorrogado de 72 para 84 meses.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas