Testemunhas dizem que jovens foram executados por PMs em festa

bahia
25.07.2018, 16:14:00
Atualizado: 25.07.2018, 16:40:34

Testemunhas dizem que jovens foram executados por PMs em festa

Três dos quatro mortos foram identificados

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Moradores de Itinga, em Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador, negaram que os quatro rapazes foram mortos em confronto com policiais militares nesta terça-feira (24). Eles disseram que os jovens foram surpreendidos e executados com vários tiros.

“Eles [PMs] chegaram atirando. Fizeram uma miséria”, disse uma das testemunhas, na manhã desta quarta-feira (25), no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IMLRN).

Entre os rapazes mortos pelos policiais, está o frentista e o mototaxista Washington de Souza Oliveira, 26 anos. “Ele era um rapaz de bem. Tinha saído de um outro emprego e pegou a rescisão e comprou uma casa há dois meses”, disse uma das testemunhas que também por segurança preferiu não revelar o nome. 

Além de Washington, morreram Isaac de Jesus Reis, 24, Bruno Filipe da Silva Bispo e um outro rapaz ainda não identificado. O caso foi registrado na 27ª Delegacia (Itinga). 

Segundo testemunhas, havia uma festa de moradores na localidade de Jardim Castelão, e por volta das 15h uma guarnição da PM passou no local lentamente. “Passou como se estivesse observando algo. Alguns minutos depois, a viatura voltou atirando e todo mundo correu”, contou a testemunha. 

Um dos rapazes mortos não correu porque tinha platina nas duas pernas. “Ele não aguentava correr e colocou as mãos para cima e mesmo assim foi baleado”, disse outra testemunha.

Um dos rapazes, inicialmente atingido na perna, foi executado com tiro na cabeça, de acordo com os relatos.  “Poderia ter prendido ele, já que estava ferido. Não. Dispararam contra a cabeça”, contou já outra testemunha. 

Ainda de acordo com o relato dos moradores, cinco jovens foram obrigados a jogar os corpos no porta-malas das viaturas. “Depois, eles levaram os rapazes para a delegacia junto com os corpos no porta-malas. Segundo lá, eles foram ameaçados de morrerem caso falassem a verdade”, disse um morador. 

PM
Em nota, a Polícia Militar informou que na tarde de terça-feira (24), por volta das 15h, no Jardim Castelão, bairro de Itinga, guarnições da 22ª CIPM foram informadas pelo Cicom de que indivíduos estariam armados para praticar delitos. No local, os PMs foram recebidos a tiros pelos acusados. No revide, quatro envolvidos foram atingidos, e logo após socorridos para o Hospital Menandro de Farias, onde a equipe médica constatou os óbitos. 

Em continuidade com a diligência, outros cinco criminosos foram conduzidos à 27ª delegacia de Itinga. Com eles foram encontrados duas pistolas, dois revólveres, um simulacro (arma falsa), além de uma quantidade de crack, uma embalagem de maconha e uma balança.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas