Tintos de Verão: sommelier dá dica de 5 vinhos nada óbvios para o calor

paula theotonio
06.12.2018, 09:20:00
Atualizado: 06.12.2018, 10:24:46

Tintos de Verão: sommelier dá dica de 5 vinhos nada óbvios para o calor

(foto/divulgação)

Quando se pensa em verão e vinho, a associação mental imediata é com taças suadinhas de brancos, rosés e espumantes. Servidas mais geladinhas, estas bebidas trazem mais comumente as sensações da estação: aromas e paladares frutados, florais ou minerais, e um corpo leve que as fazem descer “redondas”. Mas os amantes dos tintos não precisam ficar órfãos na temporada. Segundo o sommelier Alexandre Takei, é possível ter ótimas experiências com as bebidas escuras – basta escolher rótulos mais adequados às altas temperaturas.

“Espera-se de um vinho de verão um corpo mais leve, acidez mais elevada, pouco álcool e maior quantidade de fruta; e essas características também podem ser encontradas nos tintos”, conta o especialista. Para identificar as melhores garrafas, o bebedor pode usar alguns conhecimentos prévios.

Região produtora e as uvas

O “terroir” – ou o conjunto solo e clima – de uma determinada região é determinante no sabor das uvas. Frutas cultivadas em territórios quentes amadurecem rapidamente, resultando em vinhos mais alcoólicos. Já as que crescem e são colhidas em regiões mais frias amadurecem lentamente, originando bebidas com maior acidez e mais sabores minerais.

Segundo Takei, é interessante ficar de olho na produção de tintos das regiões costeiras do Chile; Nova Zelândia; dos Vinhos Verdes, em Portugal; Norte da Itália – em áreas viticultoras como como Valpolicella e em toda Piemonte; e norte da França, com destaque para o Vale do Loire.

Produzidas nestas regiões, certas uvas vão desenvolver ainda melhor estas características de frescor, acidez e fruta. “A mais clássica é a Pinot Noir, da Borgonha. Mas não é a única. Nesse mesmo entorno temos a gamay, forte na microrregião de Beaujolais; e a Cabernet Franc. Na Itália, temos as uvas Corvina e Barbera”, enumera.

Campo e vinificação

Desde o campo até a vinificação, fazer um tinto leve e fresco requer cuidados especiais. “Uvas para tintos de verão não podem estar sobremaduras”, conta Alexandre.

Na maceração, as uvas são deixadas por um tempo menor em contato com suas cascas – extraindo, assim, menos taninos (adstringência) e cor. Em alguns casos, é feita “maceração carbônica” – em que as bagas da fruta são colocadas inteiras para fermentarem em um tanque e todo o açúcar se transforma em álcool sem a ação de leveduras. Tintos produzidos com este processo são brilhantes, leves, jovens, frutados e têm taninos macios.

Outra característica é a ausência do estágio em barricas de carvalho, passagens rápidas ou uso exclusivo de barricas mais velhas – que não transferem tantos compostos para as bebidas.

Lista de compras

Eis a seleção de Alexandre Takei para um verão repleto de tintos (descrição do site Decanter):

Gere Attila Portugieser 2017 | 100% Portugieser (ou Kékoportó), este tinto húngaro possui coloração rubi brilhante e cativa por sua estrutura elegante, de acidez gulosa e taninos aveludados. R$ 133

Dominique Piron Morgon La Chanaise 2016 | Elaborado com uvas gamay, este varietal francês de vinhas velhas tem aromas de cereja e framboesa, tem certa especiaria, mineralidade e excelente estrutura. R$ 190

Caliterra Dstnto 2017 | Este assemblage chileno da região de Colchagua é elaborado com uvas Malbec, Petit Verdot e Carignan. Passou por maceração carbônica em carvalho francês e, por isso, tem cor purpúrea profunda e brilhante, além aromas de fruta vermelha fresca, fundo vegetal, além de notas muito sutis de madeira. Leve e fresco!

Craggy Range Martinborough Pinot Noir 2016 | 100% Pinot Noir, só que da Nova Zelândia. Este tinto tem cor rubi intensa e traz aromas de cereja, framboesa, lavanda, rosa e especiarias picantes. Frutado, possui carvalho sutil – resultado de 9 meses de estágio em barricas majoritariamente mais velhas. Taninos finíssimos! R$348,40

Michele Castellani Valpolicella Classico Ripasso Costamaran 2015 | Elaborado com as uvas Corvina Veronese, Rondinella, Molinara e outras castas típicas italianas, traz uma coloração vermelho-rubi; além de típicos aromas de flor de cerejeira, cerejas ''marascas'' maduras e framboesas frescas. Vivaz, agradável e frutado! Como demais diferenciais, estão a colheita da fruta madura e maceração curta, com menor tempo de contato entre mosto e casca. R$ 132,30.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/video-mostra-pedreiros-quebrando-coluna-de-predio-pouco-antes-do-desabamento/
Síndica do prédio, que acompanhava obra, continua desaparecida nos escombros
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/tiago-iorc-estreia-turne-acustico-mtv-na-bahia-neste-fim-de-semana/
Cantor faz shows em Feira de Santana e Salvador e apresenta inéditas do álbum Reconstrução
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/petrobras-sera-multada-em-r-300-mil-caso-realize-novas-transferencias-na-bahia/
Decisão foi comemorada por funcionários, que aplaudiram oficial de justiça na Torre Pituba; assista
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pabllo-vittar-lanca-clipe-de-parabens-nova-musica-em-parceria-com-psirico-assista/
Com participação de Márcio Victor, cantora sensualiza em clipe dominado por azul
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pm-agride-mulher-que-dancava-em-frente-a-viatura-em-sp-veja-video/
Situação semelhante foi levada com bom humor por PMs de Salvador; reveja
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manchas-de-oleo-chegam-a-tres-praias-de-vera-cruz-na-ilha-de-itaparica/
Manchas ainda não afetam a Baía de Todos-os-Santos, garante Inema
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-audio-lider-do-psl-na-camara-chama-bolsonaro-de-vagabundo/
Na mensagem, Delegado Waldir fala em "implodir o presidente"
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/grande-quantidade-de-oleo-liquido-invade-pedra-do-sal-e-atinge-corais-e-animais/