Torcedores do Bangu criam abaixo-assinado contra contratação do goleiro Bruno

Futebol
06.03.2017, 13:47:00
Atualizado: 06.03.2017, 14:37:59

Torcedores do Bangu criam abaixo-assinado contra contratação do goleiro Bruno

Possibilidade do jogador atuar no time do Rio de Janeiro foi levantada pelo advogado de Bruno

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Torcedores do Bangu, clube de futebol do Rio de Janeiro, criaram um abaixo-assinado contra a possível contratação do goleiro Bruno, condenado por matar a ex-namorada Eliza Samudio, em 2010. A possibilidade da ida do jogador para o tradicional time carioca, foi levantada após o advogado do goleiro afirmar que ele recebeu mais de 12 propostas desde que deixou a penitenciária.

No documento feito pelos torcedores, o grupo chama de esdrúxula a ideia de contratar Bruno e qualifica como “absurdo sequer imaginar um assassino condenado pela morte, com requintes de crueldade e frieza, de sua ex‐namorada e mãe do seu filho”. O abaixo-assinado foi lançado na última sexta-feira (3) e até a manhã desta segunda (6) já havia sido assinado por 266 pessoas. 

Goleiro Bruno deixou a cadeia em que estava em Minas Gerais e quer voltar a jogar futebol profissionalmente
(Foto: Reprodução/TV Globo)

Nas redes sociais, torcedores de outras equipes também manifestaram a rejeição na possibilidade de contar com Bruno em seus time. Em entrevista ao jornal Extra, Luiz Henrique Lessa, diretor executivo do Bangu, afirmou que a história é um factoide e descartou a possibilidade do goleiro ser contratado. 

Eliza Samudio desapareceu em 2010 e o corpo dela nunca foi encontrado. Na época, ela era mãe do filho recém nascido de Bruno, então goleiro do Flamengo, que não reconhecia a paternidade da criança. Bruno foi condenado pela Justiça de Minas Gerais em 2013 a 17 anos e seis meses em regime fechado pelo homicídio. No último dia 24 ele deixou a cadeia beneficiado por um habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas