Tremor em Cachoeira? Moradores relatam movimento de terra no Recôncavo Baiano

bahia
19.08.2020, 23:09:00
Atualizado: 20.08.2020, 19:12:22
(Reprodução/Facebook)

Tremor em Cachoeira? Moradores relatam movimento de terra no Recôncavo Baiano

'Está todo mundo em pânico', conta funcionário público; alguns relatos incluem telhas no chão, móveis balançando e um forte estrondo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A terra tremeu na Bahia. Moradores da cidade de Cachoeira, no Recôncavo, relataram que sentiram um tremor de terra no município na noite desta quarta-feira (19). Alguns relatos incluem telhas no chão, móveis balançando e um forte estrondo. Ainda não se sabe o que teria causado o incidente.

Leia mais
Se houve terremoto em Cachoeira, foi pequeno e indetectável, diz observatório​​​​​​​
​​​​​​​Centro de Sismologia da USP confirma tremor no Recôncavo Baiano

Ao CORREIO, o funcionário público Leonardo Marques, 30 anos, compartilhou que ouviu um barulho e, logo em seguida, sentiu o tremor na sua própria casa, que fica no Curiachito, no Centro da cidade. Vários amigos dele também relataram ter ouvido um estrondo e terem sentido tremores no chão. Na famosa Ladeira da Cadeia, moradores relataram que sentiram os tremores com mais intensidade.

"Cheguei em casa entre 18h30 e 18h35 e senti um tremor pequeno, uma zoada, vindo da terra. Minha cristaleira é de vidro e ela deu até uma balançadinha. Fui na porta ver se era um caminhão pesado passando e não era. Depois, minha irmã de Santo me ligou e disse que na casa dela tremeu tudo. Tiveram lugares que foi pior. Na Ladeira da Cadeia mesmo, ela me contou que tremeu tudo. Ela foi pra porta com medo. Depois minha prima me ligou e disse que aconteceu a mesma coisa. Sentiu um tremor e uma zoada, tipo de um impacto", contou ele, que é coordenador da Retran de Cachoeira.

Alguns minutos depois, ele fez uma publicação no Facebook, por volta das 19h30, comentando o ocorrido e recebeu centenas de curtidas, compartilhametos e relatos. "A Terra tremeu em Cachoeira a poucos instantes. Na Ladeira da Cadeia, teve gente sentindo até os móveis tremer. Vamos ver o que está acontecendo em nossa cidade", escreveu ele. 

"Coloquei no meu Facebook pra alertar. Pra ver se as autoridades competentes falam pra gente o que foi. Está todo mundo com medo, porque aqui tem uma barragem. A Votorantim [que gere a Barragem da Pedra do Cavalo] soltou umas notas dizendo que ia fazer uns testes para abrir as comportas, que ia deferir bastante água e não aconteceu nas datas. E tem acontecido muitas chuvas no Rio Paragaçu. A barragem fica acima do nível da cidade e aí fica todo mundo com medo. Pode ter sido um abalo sísmico, mas as autoridades precisam ver o que realmente aconteceu, porque a cidade toda sentiu. Uns impacto pouco, outros maior, mas todos sentimos. Aí está todo mundo em pânico", relatou Leonardo.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Votorantim às 22h40 e a empresa informou que os tremores sentidos por moradores não têm a ver com a barragem: "Não é nada na barragem. Na usina está tudo bem. As operações estão todas dentro da normalidade", informou a assessoria.

A professora Andrea Falcão, 44, também contou que sentiu o chão tremer de forma intensa."Por volta das 18h30, sentimos como se fosse um impacto muito grande. O chão tremeu de forma intensa", falou ela, que mora no Centro da cidade. Andrea também recebeu relatos de amigos que moram em diversos bairros de Cachoeira. Só se fala nisso na cidade.

Na publicação de Leonardo, a moradora Bruna Barreto cogitou que o tremor pode estar relacionado a tubulações de gás. "A gente tem que lembrar que aqui embaixo da nossa cidade passam tubulações de gás", disse. Outros lembraram que existe uma pedreira bem perto da usina. Uma funcionária do setor administrativo da pedreira não quis se identificar, mas garantiu ao CORREIO que não há anormalidades no local.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas