Tricolíderes dão queixa de Paulo Carneiro na polícia

bate-pronto
10.02.2020, 05:00:00
Atualizado: 10.02.2020, 08:07:21

Tricolíderes dão queixa de Paulo Carneiro na polícia


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O pós-jogo do Ba-Vi foi tenso e virou até caso de polícia, sábado (8). O motivo foi uma suposta agressão do presidente do Vitória, Paulo Carneiro, às tricolíderes, grupo de animadoras de torcida do Bahia. Segundo Zuleide Azevedo, coordenadora do grupo e mãe de uma integrante, Carneiro “passou junto com a comissão dele e bem assim, em frente da gente, falou: time de rebanho de p... Pra mim foi dirigido a nós porque não tinha mais ninguém, nem pessoas do time estavam lá”. Ela e a filha registraram boletim de ocorrência na delegacia da Fonte Nova. O CORREIO procurou o dirigente, que não se manifestou.

Preparador do Bahia passa mal

Os nervos estavam à flor da pele no Ba-Vi. E nem era exclusividade da torcida tricolor, que demonstrou sua instisfação em vários momentos do jogo e também depois da derrota consumada. Treinador de goleiros do Bahia, Rogério Lima teve uma convulsão por estresse durante o jogo, chegou a cair na beira do campo, mas se recuperou rapidamente, ainda durante a partida. O Bahia informou que o profissional passa bem.

CT do Bahia é pichado

O centro de treinamentos do Bahia, a Cidade Tricolor, amanheceu com a entrada pichada. "Fora Cerri", "CT de 1ª, jogador de 3ª", "time sem vergonha" e "time sem garra" foram alguns dos dizeres registrados na placa que fica logo em frente ao CT Evaristo de Macedo, em Dias d’Ávila. Além disso, a pista de acesso ao CT foi pichada com a palavra "pipoqueiros". Procurado pelo CORREIO, o Bahia afirmou que não vai se pronunciar sobre o caso.

Ônibus do Vitória é apedrejado

A delegação do Vitória levou um susto na saída da Fonte Nova após vencer o primeiro clássico Ba-Vi do ano. Isso porque um pequeno grupo de torcedores do Bahia jogou pedras, bateu e deu chutes contra o veículo que transportava o elenco rubro-negro. A Polícia Militar controlou a confusão e conseguiu dispersar o grupo em alguns minutos. Segundo o Vitória, ninguém ficou ferido e o ônibus não sofreu qualquer dano.

Leão desconta provocações com ‘juros’

O Vitória aproveitou o Ba-Vi para descontar provocações feitas pelo Bahia nas redes sociais. Teve montagem de Ronaldo segurando o rival, uso do escudo do Bahia sem cores e vibração no Twitter. Em um dos posts,  o Leão perguntou ao tricolor: “Não era triunfo, amado?”, em alusão ao fato do Bahia nunca usar a palavra “vitória” por rivalidade. Por causa da repercussão, o perfil do Esquadrão chegou a apagar o tweet.

Rubro-negro lembra torcida única

Ao final do Ba-Vi, ainda em campo, o time rubro-negro tirou uma foto perfilada para comemorar a vitória e publicar nas redes sociais. Com um detalhe: ao fundo da foto estava o setor de visitantes da Fonte Nova, onde ficaria a torcida do Vitória se o clássico não tivesse torcida única. Simbólico.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas