Tudo que se sabe sobre a explosão da fábrica clandestina em Crisópolis

bahia
14.04.2021, 22:33:00
Do antigo sobrado e quatro imóveis que havia ao lado, sobraram somente escombros (Foto: Prefeitura de Crisópolis/Divulgação)

Tudo que se sabe sobre a explosão da fábrica clandestina em Crisópolis

Tragédia deixou duas pessoas mortas e uma adolescente internada no HGE; um dos donos do estabelecimento, que era clandestino, foi preso

Uma fábrica que funcionava de maneira clandestina há anos. Uma explosão que levou a vida de duas pessoas em segundos e mandou uma adolescente de apenas 13 anos para a ala de queimados do Hospital Geral do Estado (HGE). É esse o balanço e grande resumo da explosão que aconteceu no município de Crisópolis na tarde desta quarta-feira (24).

A explosão aconteceu por volta das 14h30. Nesta hora, o estudante João Victor estava em casa assistindo à televisão como em um dia qualquer. Até que um barulho veio, sua casa começou a tremer e uma fumaça preta e densa subiu no ar, escurecendo sua visão.

João Victor pensou que o posto de gasolina tinha explodido e teve medo. Saiu e voltou de para casa uma vez. O barulho continuou e ele preferiu deixar a residência que fica a poucos metros de onde aconteceu a tragédia, na avenida Avenida Nelson Santiago, a principal do município com população estimada pelo IBGE em pouco mais de 21 mil pessoas.

"Ficou tudo escuro, tudo preto. E a casa tremeu toda. Quando eu saí de casa estava uma fumaça preta muito grande. Voltei pra dentro de casa com medo de inalar a fumaça. No início, pensei que a explosão foi no posto de combustível que fica logo ao lado e isso me deixou com mais medo de aumentarem as explosões", relata o estudante.

Pelo menos 10 pessoas tiveram ferimentos leves e foram encaminhadas para o Hospital Municipal. Outras cinco foram soterradas pelos escombros: Ebervan Souza Reis, de 49 anos, e Fernanda Santana Batista, de 35, morreram no local. Uma adolescente de 13 anos foi resgatada com vida e levada para o Hospital Geral do Estado (HGE), em Salvador, para cuidar das queimaduras que sofreu.

A explosão destruiu muita coisa. Num dos vídeos, um dos curiosos afirmou que o local ficou parecido com um cenário de guerra. As imagens mostram que a afirmação não é exagero. No local havia clorato, magnésio e enxofre que eram usados na fabricação dos fogos. 

"A gente não está acostumado com essas coisas aqui, então a cidade ficou muito assustada, só se comentava sobre essa história", disse Rafael Nascimento, morador de Crisópolis.

Equipes da Delegacia Territorial (DT) de Crisópolis e da 2ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Alagoinhas) prenderam um dos proprietários da fábrica, que funcionava de maneira clandestina.

As equipes do Departamento de Polícia Técnica (DPT) realizaram a perícia no local para dar início às investigações que vão apontar a causa da explosão. Titular da DT/Crisópolis, a delegada Débora Vânia Cruz Ferro, instaurou inquérito policial para investigar o fato.

“Os laudos periciais, depoimentos e demais elementos coletados auxiliarão na elucidação das causas da explosão. O proprietário da fábrica clandestina foi autuado pela posse e fabricação de artefato explosivo sem autorização e está preso à disposição da Justiça”, afirmou a delegada.

A Defesa Civil do Estado da Bahia (Sudec) afirmou que quatro imóveis foram comprometidos com a explosão e outros cinco serão avaliadas pela equipe da Sudec. 

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas