Turismo de Mergulho é aposta na Baía de Todos-os-Santos

turismo
29.08.2018, 22:38:00
Atualizado: 29.08.2018, 22:39:50
(Foto: Divulgação)

Turismo de Mergulho é aposta na Baía de Todos-os-Santos

A baía terá três novas áreas para contemplação da vida marinha, atraindo mergulhadores e turistas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um recife artificial será criado na Baía de Todos-os-Santos para impulsionar o turismo de mergulho. Os serviços técnicos serão realizados durante os próximos seis meses e o cronograma de ações para execução do naufrágio controlado de navios foi discutido, nesta quarta-feira (29), na Secretaria do Turismo da Bahia. Com isso, a baía terá três novas áreas para contemplação da vida marinha, atraindo mergulhadores e turistas do Brasil e do exterior. 

“Vamos ampliar a visibilidade da Baía de Todos-os-Santos e, com isso, atrair visitantes interessados no turismo de mergulho, escolas de mergulho e novos receptivos turísticos”, afirmou o secretário estadual do Turismo, José Alves. O presidente da Associação de Mergulhadores da Bahia, Igor Carneiro, reafirmou o interesse dos mergulhadores profissionais por novas áreas: “Somos ávidos por novidades. Viajamos por vários países em busca de novos cenários submarinos”, disse.

A história, função social e formato das embarcações também são aspectos relevantes neste segmento, acrescentou Rodrigo Melo, responsável operacional da Engesub Serviços Subaquáticos. A área monitorada para os trabalhos oferece uma série de vantagens, como a proximidade dos pontos de mergulho. “Enquanto em outros lugares é preciso navegar até duas horas, aqui serão cinco minutos, o que aumenta a atratividade e dinamiza os passeios”.

O contrato com a Engesub estabelece prazo de seis meses para o afundamento de até três embarcações. Para a realização do serviço, a empresa vai realizar estudos que apontem localizações mais propícias para o naufrágio controlado, bem como seus impactos ambientais. Uma das etapas do processo é a emissão de licença ambiental.

Antes do afundamento, os navios são vistoriados e preparados. Todas as peças que possam representar riscos aos mergulhadores são retiradas, bem como todo material tóxico, evitando a contaminação do meio ambiente. Equipes da Marinha e de órgãos ambientais também realizam inspeções.
 
Nos primeiros dias após o processo de naufrágio, a empresa deve promover novas vistorias que vão atestar a segurança dos equipamentos - item indispensável para a liberação dos mergulhos e passeios. Estima-se que em dois meses já haja formação dos recifes.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas