Um mapa das doenças raras no Brasil

artigo
01.03.2021, 05:00:00

Um mapa das doenças raras no Brasil


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A APAE Salvador, organização social sem fins lucrativos, tem assumido o protagonismo na prevenção de agravos à saúde decorrentes de doenças raras há duas décadas, desde que se tornou Serviço de Referência em Triagem Neonatal para o estado da Bahia. Na esteira desta experiência, desde 2019, a Instituição atua como Serviço de Referência em Doenças Raras (SRDR) na Bahia, tendo sido o primeiro serviço no estado a receber a habilitação do Ministério da Saúde, em consonância com a portaria 166/2014 que instituiu a Política Nacional de Atenção Integral as Pessoas com Doenças Raras.  


De acordo com a Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica, no Brasil, existem mais de 13 milhões de pessoas com algum tipo de doença rara, sendo a maioria de origem genética. São doenças crônicas, potencialmente debilitantes, que impactam na qualidade de vida dos indivíduos e suas famílias. A APAE Salvador atua de maneira interdisciplinar e multiprofissional, atendendo, diagnosticando, ofertando aconselhamento genético, tratando, acolhendo e, em parceria com seu CER – Centro Especializado em Reabilitação,  ofertando terapias a pacientes com doenças raras genéticas, atuando desta forma na prevenção de sequelas e comorbidades associadas a estas condições. 

 
Deste modo, desde 2020 a APAE Salvador passou a integrar a Rede Nacional de Doenças Raras, um projeto de pesquisa financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Ministério da Saúde. O projeto multicêntrico está sendo executado em 40 instituições brasileiras, sediadas nas cinco regiões geográficas, e a entidade baiana terá como principal linha de pesquisa a fenilcetonúria. Para a pesquisa, será realizado um inquérito nacional (censo) acerca da frequência, quadro clínico, recursos diagnósticos, terapêuticos e custos relacionados a indivíduos com doenças raras de origem genética. 


Apesar do avanço no diagnóstico, principalmente devido às novas tecnologias e a recente estruturação do atendimento de Doenças Raras no Brasil, ainda faltam dados epidemiológicos sobre estas condições. Este inquérito nacional trará informações importantes sobre o perfil destas doenças, ampliando o conhecimento sobre a epidemiologia, quadro clínico, aspectos diagnósticos e itinerários terapêuticos. Será possível orientar adequadamente os recursos e atender às necessidades regionais, além de otimizar a implantação da Política Nacional de Atenção às Pessoas com Doenças Raras no Brasil.

Tatiana Amorim é Médica geneticista, coordenadora do Núcleo de Pesquisas Científicas da Apae Salvador e do Ambulatório de Doenças Raras.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas