Vacinados na Bahia comemoram e esperam a imunização das famílias

coronavírus
24.03.2021, 06:00:00
(Paula Fróes/CORREIO)

Vacinados na Bahia comemoram e esperam a imunização das famílias

Mais de 1 milhão de doses foram aplicadas; quase 250 mil delas em Salvador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Bahia ultrapassou a marca de  um milhão de vacinados com a primeira dose contra a covid-19, nesta terça-feira, 23. O caminho pela frente ainda é longo, pois faltam mais de 13 milhões receberem o imunizante. Mas, a cada ampola aplicada, aumenta a esperança de vencer o vírus. O número de segundas doses já inoculadas é menor - cerca de 298 mil - , mas a boa notícia é que a taxa de abandono das aplicações é nula. Ou seja, nenhum baiano ou baiana deixou de completar a imunização no prazo previsto no calendário.

De acordo com os números disponíveis até a tarde de ontem, 6,7% da população do estado recebeu ao menos a primeira dose da vacina desde o dia  18 de janeiro -  início da vacinação  - até esta terça, 23 de março, considerando a população baiana estimada em 2021: 14.985.070 pessoas, o número usado pelo governo estadual para o cálculo.

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) afirma que  a Bahia ocupa o terceiro lugar no Brasil em número de aplicações, tendo recebido 2.039.600 doses divididas entre a  chinesa Coronavac e a vacina de Oxford/AstraZeneca (britânica), desde a  primeira remessa.

Em Salvador, são mais de 240 mil pessoas que já receberam a primeira dose contra o coronavírus. Desse total, cerca de 50% são profissionais de saúde. Até agora, mais de 73 mil soteropolitanos já receberam  as duas doses. 

Nesta quarta-feira (24), Salvador começará a vacinar os idosos a partir de 70 anos. Aqueles com 71 ou mais devem ir aos locais de vacinação no período da manhã (de 8h às 12h) e, aqueles com 70 anos ou  nascidos  de 24 de março de 1950 até setembro do mesmo ano, no período da tarde (13h às 16h). Por enquanto, o planejamento escalonado vai até a sexta-feira (26), com a vacinação para os idosos que têm a partir de 69 anos.

Seu Carlito Ramos comemora a imunização (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Grupos prioritários

Os idosos formam a maior parcela vacinada do grupo prioritário que recebe a substância nessa etapa inicial, dividida em quatro fases, conforme o Plano Nacional de Imunização. Cerca de 658 mil pessoas com 60 anos ou mais já foram imunizadas com  a primeira dose da vacina na Bahia, o que representa 33% do total estimado desse público (1.991.584). 

Já os profissionais de saúde foram os mais vacinados: 94% (cerca de 351 mil) do total de trabalhadores da área (374.368)  já receberam o imunizante.

Na avaliação do  titular da Sesab, Fábio Vilas-Boas, a chegada da vacina russa Sputnik V, a partir de abril, vai acelerar o processo de aplicação. “Avançaremos mais rápido na imunização”, ressalta o secretário. Com essas doses, mediante autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), “será possível imunizar todos os idosos acima de 60 anos e profissionais das áreas de educação e segurança”, afirma Vilas-Boas.

Nesta terça, o governador da Bahia, Rui Costa, anunciou durante o Papo Correria, o planejamento para a chegada das 37 milhões de doses totais que serão enviadas ao Nordeste: “São 2 milhões de doses que chegam em abril, 5 milhões de doses em maio, 10 milhões em junho e 20 milhões no mês de julho”. Do total, 9,7 milhões vêm para a Bahia, mas o governador não especificou quantas doses de cada uma das remessas ficarão no estado. 

“Espero que, até o final de abril, as pessoas com 59 anos, que é a minha idade, já estejam sendo vacinadas. Eu quero ser vacinado com a Sputnik V”, disse Rui Costa. “Estou ansioso para virar jacaré”, brincou o governador, em referência ao presidente Jair Bolsonaro, que questionou a segurança das vacinas.

Outro reforço na vacinação, dessa vez em Salvador, ocorrerá com a compra das 20 milhões de doses pleiteadas pela Frente Nacional de Prefeitos, um consórcio que reúne mais de mil prefeituras do país. Na Bahia, além de Salvador, são mais 89 prefeituras no consórcio.

“Mesmo diante do sacrifício que os municípios estão vivendo, porque aumentamos  o nosso custeio da pandemia, considero a compra da vacina uma prioridade", disse o prefeito da capital, Bruno Reis, no lançamento da iniciativa, na segunda-feira, 22.

(Arte: Quintino Brito/CORREIO)
(Arte: Quintino Brito/CORREIO)

Injeção de ânimo 

Os mais idosos, vacinados primeiro, comemoram a imunização de filhos e filhas. Também aguardam, ansiosos, a chegada da vez dos netos e bisnetos. Esse é o caso da aposentada Naide Santos, 94 anos, que já tomou as duas injeções. Agora ela tem o prazer de ver os quatro filhos serem imunizados, o que deve acontecer no decorrer dessa semana. A filha Nalva Souza, 76, já recebeu a primeira dose e com direito a comemoração em dobro: a aplicação aconteceu no dia do seu aniversário, em 13 de março. 

“As pessoas me trataram muito bem e festejaram comigo. Não doeu nada e não tive nenhuma reação”, conta ela, que está ansiosa para ver os filhos e netos se vacinando. “A minha mais velha tem 51 anos, ainda vai demorar um pouquinho para a família toda ficar imunizada, mas não vejo a hora”, acrescentou.

Neuza Kurie Arimitsu, 72, também foi vacinada no dia do seu aniversário, no último domingo (21). Sempre muito ativa, a vacina para ela é sinônimo de renovação. Até o início da pandemia, ela trabalhava como motorista de aplicativo, mas abandonou a função por medo da contaminação. Agora, não vê a hora de voltar quando tomar a segunda dose. “Para mim é bom [dirigir por aplicativo], pois é uma terapia. Gosto de conversar com as pessoas e conhecer novos lugares”, diz.

A fila anda

Mesmo quem ainda aguarda na fila pela sua vez de tomar a vacina, já tem a imunização de algum familiar ou amigo para celebrar. O alívio do diretor teatral João Figuer, 53 anos, veio com a vacinação da mãe, Genária Figueiredo, de 78, que aconteceu no último dia 09. João conta que, durante a pandemia, não conseguiu ver a mãe com a mesma frequência de antes e sofreu muito por isso. “Essa segunda onda a deixou um pouco desanimada, mas a vacina veio para dar um ânimo novo. Eu já fui vê-la, mas usando máscara e ficando de longe”.

A visita, porém, ainda não foi suficiente para matar a saudade. O que João quer mesmo é que a mãe tome logo a segunda dose para poder, enfim, dar aquele abraço forte nela. “A gente é muito cuidadosa, mas também é uma família muito unida, que se toca muito e se gosta demais. Abraçar, beijar, conversar pessoalmente são coisas muito importantes e que fazem falta. Só a vacina vai trazer tudo isso de volta”.

A data para a segunda dose também está marcada no calendário do economista Edvaldo Lopes, de 71 anos: 20 de abril. A mãe dele, de 92 anos, já tinha sido vacinada e, nesta terça (23), foi a vez dele, que esbanjou alegria na fila da vacinação. 

“Na pandemia, os únicos momentos que eu toquei em minha mãe foi quando levei ela para tomar as duas doses. Agora, nossa família é só felicidade. A gente vai ficar mais tranquilo para poder se ver, mesmo mantendo todos os cuidados. Não vejo a hora de poder viajar, passear. Temos que aproveitar a vida”, opina  Edvaldo. 

Quem também recebeu a sua primeira dose ontem foi o aposentado Carlito Ramos dos Santos, de 71 anos. Com a mãe já vacinada, chegou a hora dele e dos 10 irmãos. “A família toda está muito feliz. Tomar a vacina é um ato de amor ao próximo e a si mesmo, pois você não quer ficar doente, não quer que o outro fique também”.  

Plano de vacinação

  • Fase 1 (profissionais de saúde, idosos entre 75 anos ou mais, idosos em instituições de longa permanência e indígenas e povos tradicionais): 900.192 vacinados / Total: 1.791.438 (50%)
  • Fase 2 (Idosos 60 a 74 anos): 145.151 vacinados / Total: 1.426.043 (10%)
  • Fase 3 (Comorbidades - diabetes mellitus; doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC); doença renal; doenças cardiovasculares e cerebrovasculares; hipertensão arterial grave; indivíduos transplantados de órgãos sólidos; anemia falciforme; câncer e obesidade mórbida): Total: 952.507 pessoas. 
  • Fase 4 (Pessoas em situação de rua, Forças de Segurança e Salvamento, Trabalhadores da Educação, Pessoas com deficiência institucionalizadas, Pessoas com deficiência permanente severa, Caminhoneiros, Trabalhadores Transporte Coletivo Rodoviário e Metroferroviário de passageiros, Trabalhadores de Transporte Aéreo, Trabalhadores Portuários, População Privada de Liberdade, Funcionário do Sistema de Privação de Liberdade): Total: 874.634 pessoas.

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas