'Vamos levar a apuração a fundo', diz Bellintani sobre caso Ramírez

e.c. bahia
21.12.2020, 18:37:00
Atualizado: 21.12.2020, 19:05:00
Bellintani prometeu rigor em apuração sobre possível caso de racismo (Foto: Mauro Akin Nassor/Arquivo CORREIO)

'Vamos levar a apuração a fundo', diz Bellintani sobre caso Ramírez

Presidente do Bahia falou pela primeira vez sobre acusação de racismo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, rompeu o silêncio e falou pela primeira vez sobre a acusação de racismo feita pelo volante Gerson, do Flamengo, contra o meia Juan Pablo Ramírez, do Bahia, durante a derrota do tricolor para o time carioca por 4x3, neste domingo (20), no Maracanã.

Durante o desembarque da delegação em Salvador, Bellintani concedeu entrevista à TV Band e falou sobre o possível crime. Segundo ele, o Bahia está fazendo uma apuração rígida para comprovar se a injúria realmente aconteceu.

"Temos o dever de levar essa apuração a fundo, é o que nós estamos fazendo. Ao mesmo tempo permitir o contraditório, a autodefesa, ouvir o jogador. Depois disso tudo, com a maior rapidez, mas ao mesmo tempo com toda responsabilidade e firmeza, tomar a decisão que precisa ser tomada", disse Bellintani.

"Estou conversando com ele (Ramírez) desde ontem, hoje de manhã também. Ele nega, diz que houve muito bate-boca durante o jogo, de ambas as partes, mas que em momento nenhum proferiu palavras racistas. Naturalmente temos que dar ao jogador o benefício da dúvida e o direito que ele tem de se defender. Mas por outro lado, também entender que a voz das vítimas de casos de racismo também é muito importante e precisa ser levada em conta de forma substancial. O Bahia entende que a voz da vítima é importante, como o direito de defesa. E vai entender esse processo como um processo muito importante para que a gente fortaleça a prática antirracista no futebol, mas também dando ao atleta o direito da autodefesa", continuou.

Questionado se o contrato de Ramírez será rescindido caso o crime fique comprovado, Bellintani não deu detalhe de qual punição vai ser aplicada, mas reforçou que o clube não será conivente com tal prática.

"Estamos buscando entender a defesa do jogador de que não falou nada, se há comprovação de que ele não falou, e naturalmente as palavras de Gerson, que são fortes e devem ser levadas à sério, se haverá comprovação do que Gerson falou. Entendendo isso tudo, pedimos as imagens à TV e a à CBF, já olhamos a súmula do jogo, e com base em tudo isso vamos fazer uma apuração rígida e fazer valer a nossa responsabilidade de um clube que sempre promoveu políticas antirracistas, mas também vai dar ao atleta o direito de defesa", finalizou.

Enquanto o caso é investigado, Ramírez foi afastado das atividades do Bahia. Nesta segunda-feira (21), a delegada Marcia Noeli, da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância, do Rio Janeiro, intimou o meia, o técnico Mano Menezes e árbitro da partida entre Bahia e Flamengo, Flávio Rodrigues de Souza a prestarem depoimento presencial sobre o caso de injúria racial contra o volante Gerson, do Flamengo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas