Vasco da Gama, tua fama assim se fez

paulo leandro
07.09.2019, 05:00:00

Vasco da Gama, tua fama assim se fez

O Clube de Regatas Vasco da Gama está para o futebol do Rio de Janeiro e do Brasil como o Ypiranga pode ser contextualizado no ludopédio baiano. São duas referências de resistência, combate e vitórias sobre o racismo de classe.

Racismo de classe é quando misturam-se os privilégios dos proprietários das terras, fábricas, empresas de um modo geral, com a discriminação de grupos sociais afastados de seus direitos de cidadania por viés étnico. É a maligna união do capital com a cor da pele.

O foot-ball nasceu no berço esplêndido de quem podia comprar bolas, material esportivo e tinha contato com os donos do jogo, os ingleses construtores de estradas de ferro, companhias de iluminação e bondes a tração animal.

Fluminense e sua criatura, o Flamengo, o  Botafogo, o América, eram os clubes da zona sul, queridinhos da liga por serem constituídos por players de “boas famílias”, os tais “cidadãos de bens”.

Aí, acontece de o Vasco aparecer com a proposta de acolher os afro-brasileiros, saídos da condição de corpos humanos escravizados havia apenas três décadas e meia. Exerciam funções subalternas como biscateiros, soldados, artesãos, faxineiros...

No pós-abolição, a saída súbita das senzalas causou dificuldades de sobrevivência, cujos desdobramentos esticam-se até os dias de hoje, especialmente quando se verifica a composição étnica do sistema prisional.

Então, o Vasco da Gama, filho dos portugueses, subiu da segunda para a primeira divisão e no ano seguinte, foi o campeão da cidade, algo senão inédito, ao menos raríssimo na história do futebol mundial.

Os clubes rico-branqueados uniram-se para impor o racismo de classe: só podia jogar quem soubesse assinar a súmula. A alegação dos anjinhos era o combate ao analfabetismo, mas a intenção, bem outra: exterminar aquele time de pobres “de cor”.

Os afro-brasileiros não tinham acesso à boa educação, como ocorre até hoje, a despeito dos avanços registrados antes do abril de 2016; então, o jeito foi ensinar os vascaínos a desenhar o nome em garranchos para poderem jogar.

Aí, inventaram outra regra nível Deltan. Só podia jogar quem tivesse mando de campo. O Flu tinha Laranjeiras; o América, Andaraí; o Bota, General Severiano; o Fla, a Gávea; o São Cristóvão, Figueira de Melo...

Então, os portugas, pois, pois, responderam com a construção do maior estádio, o de São Januário, onde o saudoso Getúlio assinou a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), ora em estado de decomposição.

O Vasco aprendeu a superar-se continuamente para construir-se como grande clube. A listra em diagonal foi copiada nos anos 1940, do River Plate, pois o brasileiro sofria de platinismo, uma sensação de inferioridade em relação aos gardelitos.

Embora tenha sido brutal, como toda colonização, a presença portuguesa permitiu maior interação, pois os invasores vieram sem família e alteraram nossos códigos genéticos, ao namorarem indígenas e afro-brasileiras: o Vasco representa bem este convívio e a boa mistura.

Por toda esta história de luta e de inserção cultural num combate maior da sociedade brasileira contra ideologias de desumanidade, o Vasco merece toda consideração por ser um clube vocacionado a defender nossos melhores valores de cidadania.

Paulo Leandro é jornalista e prof. doutor em Cultura e Sociedade


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mesmo-com-prova-mantida-candidatos-temem-cancelamento-de-concurso-da-pm/
Professores propõem que os concurseiros não se deixem abater e continuem focados nas provas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/poliana-ex-esposa-de-victor-chaves-vive-reclusa-apos-separacao/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/atores-da-televisa-morrem-ao-cair-de-ponte-durante-ensaio-para-serie/
Vítimas faziam parte de elenco da série ‘Sin Miedo a la Verdad’
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/blecaute-em-morro-de-sao-paulo-deixa-turista-sem-banho-e-gera-prejuizo-no-comercio/
Balneário ficou 20 horas sem luz; concessionária cita 'defeito em equipamento'
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-que-e-uma-feijoada-inorganica/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/martnalia-volta-ao-tca-com-show-em-homenagem-a-vinicius-de-moraes/
Apresentação que aconteceria na Concha nesta sexta (17) foi transferida para a Sala Principal
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bastidores-confira-historias-curiosas-que-os-reporteres-viveram-na-cobertura-do-bonfim/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/tomando-umas-e-sambando-o-bonfim-de-quem-usa-a-fe-como-desculpa-pra-comer-agua/
No lado B do cortejo, encontramos até infiéis e ateus que são devotos da bagaceira
Ler Mais