Velho problema: Bahia levou gol em oito dos dez jogos da temporada

e.c. bahia
23.02.2022, 05:00:00
Na análise de Guto Ferreira, tricolor ainda está sofrendo com o processo de adaptação dos novos atletas (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Velho problema: Bahia levou gol em oito dos dez jogos da temporada

Sistema defensivo volta a ser dor de cabeça para Guto Ferreira

Em busca do time ideal para a sequência da temporada, o Bahia tem apostado no esquema de rodízio para não forçar os atletas fisicamente e testar as melhores opções que o elenco possui, mas tem um setor que causa preocupação independentemente de quem joga: a defesa. 

Nos dez jogos que fez em 2022, o time só não foi vazado em duas oportunidades. Nas vitórias sobre Doce Mel, por 1x0, pelo Campeonato Baiano, e por 5x0 no Globo, pela Copa do Nordeste. 

Nas demais oito partidas, o Esquadrão sofreu pelo menos um gol dos adversários. Os últimos foram na derrota para o Fortaleza, por 3x1, sábado, pelo Nordestão. Ao todo, a equipe já levou 12 gols na temporada - média de 1,2 por jogo.   

Apesar de conseguir manter o equilíbrio entre defesa e ataque - o time anotou 16 gols e tem saldo positivo -, as bolas na rede ligam um sinal de alerta. Afinal, teoricamente, as partidas ficarão mais difíceis à medida que o estadual e o regional cheguem às fases decisivas e que a Série B tenha início.

Nos dois últimos anos, a defesa foi o ponto de maior fragilidade do Bahia no Campeonato Brasileiro. Para se ter uma ideia, em 2020 o tricolor terminou o ano com a terceira pior defesa da Série A, com 59 gols sofridos - em 38 rodadas. Superou só os rebaixados Botafogo e Goiás, que levaram 62 e 63 gols, respectivamente. 

Já em 2021, o Esquadrão foi, junto com o Grêmio, o segundo time que mais levou gols entre as 20 equipes do Brasileirão, com 51. Melhor apenas que a Chapecoense, que caiu para a Série B como lanterna e com 67 gols sofridos.

Um dos remanescentes do elenco rebaixado no ano passado, o zagueiro Luiz Otávio não credencia a fase ruim apenas aos atletas que compõem o sistema defensivo. Para ele, a defesa do time começa no ataque.

“A parte defensiva é um contexto geral, que não depende somente da defesa, da linha de quatro atrás. Depende do time como um todo, da equipe. Claro que não é uma marca boa, tem que melhorar”, iniciou o camisa 3.

“Quando você leva poucos gols, a chance de ter êxito é muito grande. Essa parte a gente tem que melhorar, e muito. Mas vejo pelos jogos. A gente tem proposto os jogos. Normalmente, a gente está jogando na linha de ataque, marcando alto, para poder conseguir sair com o resultado positivo. Infelizmente, a gente toma um gol ou outro. É uma questão complicada, a gente tem que melhorar muito”, analisou.  

O sistema defensivo ganhou caras novas nesta temporada. As laterais foram renovadas com a chegada de Jonathan, Luiz Henrique e Djalma, além da promoção de Douglas Borel ao elenco profissional. Matheus Bahia é o único do setor que continua.

No miolo de zaga, os remanescentes Luiz Otávio e Gustavo Henrique ganharam a companhia de Ignácio, que voltou de empréstimo da Chapecoense, e do garoto Henrique, contratado após jogar a Copinha pela Ponte Preta.

Por opção de Guto Ferreira, o Bahia mudou ainda o perfil do seu meio-campo, buscando atletas com maior poder de marcação, como é o caso dos volantes Willian Maranhão e Rezende.

Com tantas mudanças, o treinador entende que a fragilidade apresentada faz parte do processo de adaptação. “Tudo é ajuste. Nesse início de ano, qual defesa não vem tomando gol? Porque existe o problema físico. Chegam momentos em que a cabeça até quer, mas a perna não corresponde. Nós ainda estamos no processo”, disse Guto.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas