Vendas no varejo ajuda Grupo Fragnani, fabricante de pisos, a superar crise

farol econômico
22.10.2018, 05:04:00
Atualizado: 22.10.2018, 11:01:13

Vendas no varejo ajuda Grupo Fragnani, fabricante de pisos, a superar crise


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Enquanto a economia brasileira passa por um de suas maiores recessões, o Grupo Fragnani comemora um crescimento de 20% em suas vendas nos últimos dois anos. E deve isso sobretudo aos pequenos varejistas. A empresa que fabrica aqui na Bahia pisos e revestimentos das marcas Incenor e Tecnogres deu uma guinada em sua estratégia comercial neste período, conta a diretora de marketing, Bianca Fragnani. "O que nos ajudou muito nesta crise foi o fato de termos passado a olhar mais para o pequeno varejo, além de termos colocado, literalmente, nossas equipes de vendas nas ruas", lembra ela. A fórmula pode não ser nova, mas funciona, diz Bianca: "O que fizemos foi nos aproximar do mercado. Trocamos um relaciomento frio por uma presença constante". Hoje, segundo ela, 60% das vendas da empresa são para o pequeno varejo, 20% para grandes compradores, 15% são pelo canal de engenharia e 5%, para exportação. "Nossa regra para a equipe comercial é de três semanas fora e uma no escritório. Brasileiro gosta do olho no olho para fechar negócios", destaca. 

Ampliação da fábrica
A unidade de fabricação do Grupo Fragnani está passando por um processo de ampliação que tem conclusão prevista para o primeiro semestre do ano que vem. Com o investimento, cujo valor não foi divulgado, a empresa espera contratar 40 novos funcionários. Hoje a unidade, em Dias d'Ávila, emprega 350 pessoas, além de gerar 200 empregos terceirizados. 

Sonho está vivo
O sonho baiano de ver a retomada das atividades no Estaleiro Enseada, em Maragogipe, segue vivo. O Consórcio Villegagnon – composto pela Naval Group, Mectron e a Enseada Indústria Naval (EIN) é um dos três finalistas da licitação para a construção de quatro corvetas classe Tamandaré, que vão atender à Marinha do Brasil. Embora o valor do projeto não tenha sido divulgado oficialmente, a estimativa do mercado é de algo em torno de US$ 4 bilhões – o equivalente a pouco mais de R$ 15 bilhões. Os outros dois consórcios que seguem na disputa são o Águas Azuis e o Damen Saab Tamandaré. A licitação é possivelmente a solução mais rápida para a retomada das atividades na Enseada do Paraguaçu, mas a solução definitiva para um projeto que recebeu um investimento superior aos R$ 3,2 bilhões em sua implantação passa por uma definição sobre a política de conteúdo mínimo para a indústria do petróleo. Isso, só com próximo presidente da República. Talvez daqui a uma semana...

Haja pizza
A Pizza Hut, que inaugurou em setembro a loja no Salvador Norte Shopping, a sétima por aqui, celebra os resultados do primeiro mês de operação. Foram atendidos mais de 4,2 mil clientes, que compraram aproximadamente 3 mil pizzas grandes.

Lulu no Verão
Ainda estamos na Primavera, mas a Itaipava já celebra a chegada da estação. A marca lançou ontem o primeiro filme da campanha publicitária, que tem Lulu Santos e Aline Riscado, a eterna “Verão”, como garotos propaganda.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas