Você ainda se lembra de quando a indignação existia?

edgard abbehusen
07.03.2021, 05:00:00

Você ainda se lembra de quando a indignação existia?

Leia coluna de Edgard Abbehusen

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Eu ainda lembro de ter sentado no sofá de casa depois de um dia intenso de trabalho para assistir televisão no dia 17 de julho de 2007. A programação foi interrompida exatamente as 19h07 minutos com um plantão da Rede Globo, com William Bonner anunciando um grande incêndio no hangar da TAM, em São Paulo, ainda sem saber direito do que se tratava, conversando com o repórter Fernando Rocha que, de helicóptero, sobrevoava o local do que seria noticiado, horas depois no Jornal Nacional, como uma das maiores tragédias da aviação brasileira. Naquele acidente perdemos 199 vidas. Dez meses antes, em um outro acidente aéreo no país, dessa vez com um A320 da Gol, 154 passageiros morreram.

A indignação era algo que saltava aos olhos dos jornalistas. De quem consumia a notícia. Das pessoas nas ruas comentando os fatos. Das autoridades que demonstravam solidariedade. Das imagens dos familiares das vítimas que apertava o coração. A gente ficava uns dias em choque, até que as coisas fossem voltando ao normal. Como se cada brasileiro perdesse alguém próximo. Lembro também de uma das últimas vezes em que o país parou. Em novembro de 2016 um time de futebol em ascensão, o Chapecoense, em um voo fretado com jornalistas e equipe técnica, foi o personagem de uma tragédia que comoveu o mundo inteiro. Foi luto até por quem nunca acompanhou futebol, que é o meu caso.

Mas depois dessa data algo de muito grave aconteceu com a nossa sociedade. Parece que passamos a normalizar a tragédia. Tragédia como essa que estamos vivendo agora. Dois países separam brasileiros diante do caos de hoje. O país dos brasileiros que acompanhavam apreensivos e angustiados o desenrolar da notícia de um boeing lotado de pessoas que caiu do céu. E um país que assiste o equivalente a vários aviões lotados caindo todos os dias por conta da crise sanitária do coronavírus.

Qual foi o momento em que rompemos essa barreira da indignação coletiva? A discussão sobre o que é comprovadamente cientifico ou não, as discussões sobre isolamento social como medida preventiva ou comércio aberto, as discussões sobre tantas coisas óbvias que cientistas e jornalistas têm que defender e alertar exaustivamente o tempo inteiro, enquanto corpos se acumulam, hospitais ficam lotados, profissionais de saúde entram em desespero e dezenas de famílias estão devastadas.

Eu não quero acreditar que normalizamos a tragédia. Eu sinto saudade dessa indignação e desolação. Eu sinto falta de uma palavra de consolo da autoridade máxima do nosso país. Isso não mudaria os fatos, não diminuiria os números que estão aí, mas bastaria como consolo pensar que, depois que isso tudo passar, o afeto e o carinho nos salvariam como uma semente de esperança em dias melhores.

Agora só nos resta segurar firme nas recomendações da ciência, usar máscara e se proteger, para proteger quem a gente ama. Buscar, lá no fundo, essa indignação nossa de cada dia. A falta de solidariedade e empatia não tem nada de Brasil. E que a gente volte a sentir, para voltar a sorrir.

*Edgard Abbehusen é escritor

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas