Wagner deixa os cálculos de lado: 'Se outros times que estão brigando perderem, a conta muda'

e.c. vitória
01.11.2021, 15:28:00
Técnico do Vitória, Wagner Lopes concedeu entrevista coletiva antes do jogo contra o CSA (DIVULGAÇÃO ECVITÓRIA)

Wagner deixa os cálculos de lado: 'Se outros times que estão brigando perderem, a conta muda'

Com 84,5% de risco de rebaixamento, Vitória recebe o CSA, no Barradão

A seis rodadas do fim da Série B do Brasileiro, o Vitória luta para permanecer na divisão de acesso do torneio nacional. De acordo com o departamento de matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que estuda as probabilidades do futebol, o risco de rebaixamento do rubro-negro é de 84,5%. 

Com 33 pontos, o Leão ocupa a 18ª posição na tabela e enfrenta o CSA, na terça-feira (2), às 16h, no Barradão. Apesar da situação delicada, o técnico Wagner Lopes prefere deixar as contas de lado nesse momento para focar nos resultados dentro de campo.  

"Respeito muito os matemáticos. Se os outros times que estão brigando perderem todos os jogos, a conta muda. A opinião dos matemáticos muda também. Temos que focar no que podemos fazer, em nossa força. A gente quer vencer todos os jogos. A gente nunca entra para empatar ou perder. Nos últimos anos, 41, 42, 46... Era a pontuação necessária. Só que, esse ano, é tanto time bom, que está muito equilibrado. Você vê o último colocado ganhando de um time que, até pouco tempo atrás, era o líder. Estou falando de Brasil (de Pelotas) e Náutico. Tem muito clube jogando como se fosse o último jogo e vencendo times que estão lutando para subir. Futebol tem isso, tem o dia bom, o dia ruim. Acreditar, trabalhar, concentrar. Estou muito motivado e com uma boa perspectiva de jogo para amanhã", afirmou o treinador rubro-negro".


Ao contrário do Vitória, que luta para sair do Z4, a briga do CSA, adversário da vez, é para entrar no grupo que garante vaga à elite do futebol brasileiro. Com 48 pontos, o time alagoano é o 7º colocado. Na avaliação de Wagner Lopes, o rubro-negro cresce de rendimento diante de rivais com maior produtividade. 

"Nós tivemos jogos decisivos contra times que estavam lutando contra o rebaixamento e não conseguimos vencer. Criamos oportunidades contra Remo, Confiança e Ponte, e não conseguimos vencer. Em contrapartida, quando jogamos contra Coritiba, CRB, Guarani, Botafogo, conseguimos fazer bons jogos e poderíamos ter vencido. Quanto mais difícil o adversário, mais nosso time cresce. Nível de concentração via ser altíssimo, porque é na nossa casa, na frente do nosso torcedor. Nós já estamos há cinco jogos sem perder. Mas é um jogo muito traiçoeiro, jogo que não podemos cometer erros, entrar desconcentrado. Temos que saber que é fundamental fazer um jogo no nosso limite, superando as dificuldades para buscar a vitória", afirmou Wagner Lopes.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas