Witzel manda apurar se PMs invadiram hospital para pegar bala que matou Ágatha

brasil
03.10.2019, 19:30:07
(Foto: Marcos Pimentel/AFP)

Witzel manda apurar se PMs invadiram hospital para pegar bala que matou Ágatha

Polícia Civil quer que equipe médica preste depoimento sobre incidente

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), afirmou pelo Twitter que vai apurar "com rigor" a denúncia de que um grupo de policiais militares invadiu o Hospital Getúlio Vargas, na Penha (zona norte do Rio), após a morte da estudante Ágatha Félix, para exigir dos funcionários a entrega da bala que matou a menina, no Complexo do Alemão, no Rio.

A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 3, pelo site da revista Veja, e, até 17h20, nem a Polícia Civil nem a Militar haviam se pronunciado sobre a denúncia.

Conforme a revista, os médicos se recusaram a entregar a bala, e os policiais foram embora. Só um fragmento da bala foi encontrado pelos médicos, e encaminhada à Polícia Civil, que concluiu não ser possível compará-la com as armas dos policiais que estavam patrulhando a região no momento.

"Sobre a informação de que policiais militares teriam tentado pegar a bala que atingiu a menina Ágatha, minha posição é firme: tudo será apurado com rigor. Os fatos, se comprovados, são inadmissíveis. Os culpados serão punidos", publicou Witzel em seu perfil no Twitter.

Ágatha, de 8 anos, foi morta por uma bala perdida quando estava em uma lotação, a caminho de casa, na Fazendinha (uma das favelas do complexo do Alemão), por volta das 21h do dia 20.

Foto: Reprodução

Testemunhas alegam que o tiro foi disparado por algum dos policiais militares que patrulhavam a região. A PM diz que havia um tiroteio entre os agentes e criminosos.

Uma moto passava pelo local no momento do disparo, e policiais alegam que o homem que ocupava a garupa atirou contra eles. Testemunhas negam que estivesse havendo tiroteio.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas