Ato na Ufba lembra professor assassinado: "Perda de uma referência", diz reitor

Professor de Psicologia aposentado foi morto no interior da Bahia no último dia 4

Publicado em 18 de fevereiro de 2016 às 21:03

- Atualizado há 10 meses

Marcus foi lembrado em ato na reitoria da Ufba (Foto: Almiro Lopes/CORREIO)Pedidos de justiça marcaram a homenagem ao professor aposentado do curso de psicologia da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Marcus Vinícius de Oliveira Silva, 57 anos, conhecido como Marcus Matraga, assassinado no último dia 4, no povoado de Pirajuía, no município de Jaguaripe, no Recôncavo baiano. Amigos, colegas de trabalho, ex-alunos e familiares do professor participaram do ato, que aconteceu no final da tarde desta quinta-feira (18), no salão nobre da Reitoria. (Foto: Reprodução)Declamações de poesias escritas pelo professor, cânticos e encenações integraram a homenagem, que contou com a presença do reitor da Ufba, professor João Carlos Salles, da diretora do Departamento de Psicologia da instituição, Ilka Bichara, representantes de instituições sociais pelas quais o professor militava e uma de suas duas filhas, Natália Cerri Oliveira, 23 anos. “Meu pai nunca separou o militante dos direitos humanos, do psicólogo a favor do compromisso de uma ética nas relações, do pai. Ele sempre foi muito duro em relação a isso, de olhar o mundo com responsabilidade, de ser ético nas escolhas, mas era também muito doce, carinhoso e participativo. Era um poeta”, disse Natália.

Ainda durante o ato, a diretora do Departamento de Psicologia leu um manifesto assinado por colegas de trabalho e pelo qual lamentaram a morte e cobraram justiça. O reitor João Salles informou que a universidade tem cobrado celeridade na apuração e punição dos envolvidos na morte do professor. “A morte de Marcus foi um choque. Ele era um profissional destacado, com uma grande militância, as causas mais nobres. Foi a perda de uma referência. Nós estamos muito mobilizados para conseguir que as autoridades intensifiquem a apuração”, disse.

[[saiba_mais]]

De acordo com a filha de Marcus, a polícia apura o caso em sigilo para não atrapalhar as investigações. No dia em que foi morto, o professor foi retirado de casa por dois homens. Os criminosos  disseram que uma amiga de Matraga estava passando mal. Ao sair para prestar socorro, ele foi rendido, levado até um matagal e morto com um tiro na nuca. Segundo a polícia, não há câmeras de vigilância na região onde aconteceu o crime.

Até o momento, nenhum suspeito foi preso.