Dom Murilo Krieger recebe título de cidadão baiano

Cerimônia aconteceu na Assembleia Legislativa, em Salvador

Publicado em 1 de setembro de 2017 às 20:30

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Sara Gomes/Arquidiocese de Salvador

O Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, recebeu nesta sexta-feira (1º) o título de cidadão baiano, concedido pela Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA).  “Eu me sinto muito pequeno pelo reconhecimento. No fundo, a Bahia, através de seus representantes, está dizendo: 'nós queremos que o senhor seja um dos nossos'. Isso eu me sinto muito à vontade, porque desde que pisei aqui nessas terras, vim aqui com uma missão religiosa, eu vim com uma disposição: amar esse povo que eu não conhecia”, diz o religioso.

A sessão foi acompanhada por padres, religiosos e autoridades, além de populares. Os bispos auxiliares da Arquidiocese de Salvador, Dom Marco Eugênio Galrão e Dom Hélio Pereira dos Santos, o bispo da Diocese de Camaçari, Dom João Carlos Petrini, e o bispo da Diocese de Teixeira de Freitas, Dom Vilson Dias de Oliveira, também estiverem presentes. 

O deputado Marcelino Galo e o ex-deputado Yulo Oiticica, ambos do PT, destacaram a atuação de Dom Murilo na Arquidiocese e também falaram do seu papel em momentos importantes na Bahia, como na greve de professores em 2012 e duas greves da PM, em 2012 e 2014, quando ajudou a intermediar o diálogo. 

Depois de receber o título, Dom Murilo afirmou que sempre se sentiu adotado pela Bahia. “Agora, oficialmente, sou cidadão baiano por adoção, como já era por livre escolha. Este Estado me adotou. Mas, ao me adotar, sei que a Bahia passa a esperar mais de mim. Agora, mais do que nunca, não posso ficar indiferente diante das alegrias e tristezas deste povo; diante dos desafios que ele enfrenta e dos problemas que o afligem; não posso ficar indiferente diante da insegurança em que muitos vivem ou das preocupações que cada qual tem pelo dia de amanhã. O que posso fazer diante de tudo isso? Posso fazer pouco, muito pouco. Mas não devo me preocupar: a meu lado estão mais de 15 milhões de baianos, com as mesmas preocupações e desejo de ver uma Bahia melhor, um Brasil mais justo e um mundo mais fraterno”, declarou.