Letícia Colin fala ao CORREIO sobre Novo Mundo, novela das 18h que estreia quarta (22)

TV
19.03.2017, 08:45:00
Atualizado: 19.03.2017, 08:46:53

Letícia Colin fala ao CORREIO sobre Novo Mundo, novela das 18h que estreia quarta (22)

Atriz interpreta a imperatriz Leopoldina
Leopoldina saiu do impe´rio Austro-Húngaro para casar-se com Dom Pedro (Foto: Divulgação)


Letícia Colin tem 27 anos e estreou na TV no programa Sandy e Júnior, em 2000, em que vivia Glorinha. Aos 13 anos, apresentou o infantil TV Globinho. Depois de deixar a Globo, passou pela Band, onde atuou na novela Floribella. De lá, foi para a Record, onde esteve em atrações como Luz do Sol e Chamas da Vida. Voltou para a Globo em 2015, em A Regra do Jogo. Em Novo Mundo, será a arquiduquesa Leopoldina, que se casa com Dom Pedro, personagem de Caio Castro.

Como foi a sua preparação para interpretar um personagem histórico?

É a primeira personagem histórica que eu faço. Eu li muitos livros como A Carne e o Sangue, de Mary Del Priore. Os autores da novela o citam como fonte de inspiração. Fala muito do triângulo entre a Leopoldina, o Pedro e a Domitila (amante de Dom Pedro). Fala também sobre as cartas da Leopoldina. Nessas cartas, percebemos aquilo em que ela acredita e a maneira como ela se comunica com as pessoas que ela ama. É uma coisa muito bonita sobre a vida.

Qual a importância de Leopoldina para a história do Brasil?  

Ela mudou a nossa história. Atuou, politicamente, de uma forma muito ativa ao lado de Pedro. Ela veio do Império Austro-Húngaro, então tinha uma herança de grandes decisões, conquistas territoriais e políticas. Era mulher de muita diplomacia, que Dom Pedro não tinha. Ele era um cara muito explosivo e emotivo.

O figurino impressiona. O que você achou dele?

Não tem como a gente falar do figurino da Marie Salles sem falar da Lucila Robirosa, que é a caracterizadora. Foi ela quem concebeu o cabelo, a maquiagem. A equipe delas é incrível e é o que mais me ajuda na composição da Leopoldina. Quando eu visto o figurino, eu acredito e me sinto já em um outro tempo. Sou apaixonada pelos detalhes de cada bordado, os brincos também. Tem muita reconstituição da vestimenta da época através das pinturas. Elas foram atrás de refazer esses detalhes. É um trabalho belíssimo, que eu sou fã e que me ajuda.