Editorial: Economia desajustada no pior dos mundos

Linha Fina Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Dolorum ipsa voluptatum enim voluptatem dignissimos.

Publicado em 14 de fevereiro de 2016 às 08:57

- Atualizado há 10 meses

Após criar a expectativa de que anunciaria um corte no Orçamento logo depois do Carnaval, o governo decidiu adiar para março a divulgação do corte. O próprio ministro do Planejamento, Valdir Simão, deu a singela explicação de que o governo não tinha todos os números.

Ou seja, nem mesmo a equipe econômica sabe calcular ainda o tamanho do buraco orçamentário,  apesar da frustração de receita ser evidente. E está ficando cada vez mais claro que a meta de superávit primário de 0,5% do PIB não vai ser cumprida.

O adiamento é outro péssimo sinal do governo sobre seu próprio desequilíbrio fiscal. As contas não fecham e Dilma e seus ministros indicam que não sabem onde cortar gastos.

Sem capacidade para cumprir a meta que ele mesmo estabeleceu, o governo aponta agora para uma meta flexível - maneira indireta de admitir que o Brasil terá déficit fiscal pelo terceiro ano consecutivo. Essa fórmula serve como licença para o governo federal ficar novamente  no  vermelho, que vai ser copiada, obviamente, por estados e municípios.O desequilíbrio fiscal espalhou-se porque quem teve aumento de receita na última década não se preparou para os tempos de vacas magras. O governo federal dá o pior exemplo possível, ao contar no seu Orçamento de 2016 com a receita da nova CPMF sem ter qualquer garantia de que o Congresso vai aprovar o tributo. Há uma resistência grande: trabalhadores estão com dificuldade de pagar suas contas, e reajustes de taxas federais, estaduais e municipais já estão pesando no bolso.  

Com um problema desse tamanho, adiamento de decisões importantes vira combustível para a crise. O Brasil está com a economia desajustada no pior dos mundos - a economia internacional mundial dá sinais de estar andando para trás com a desaceleração da China e a queda do preço do petróleo.

Bolsas do mundo inteiro desabaram esta semana, com dúvidas sobre a solidez dos bancos europeus. O preço das ações do poderoso Deutsche Bank - o maior da Alemanha,   a maior economia da Europa - despencou; a ação do Credit Suisse já perdeu 40% do valor no ano; bancos italianos, ingleses, japoneses e americanos também sofreram desvalorizações.

Os índices apontam para um baixo crescimento dos países desenvolvidos, que estão adotando taxas de juros próximas a zero. No Japão, com a economia estagnada, os juros que já eram baixos ficaram negativos. Nos EUA, que ensaiavam uma recuperação, Janet Yellen, presidente do Banco Central americano,  disse que o cenário mundial piorou e não descarta adotar juros negativos.

Esse cenário externo combina ameaça de recessão com  ameaça de deflação - o que mostra como é esdrúxula a situação do Brasil onde a recessão já é uma realidade - com uma queda acima de 3% do PIB em 2015 - com a inflação de dois dígitos. Por tudo isso, o governo Dilma devia trabalhar com um senso de urgência que aparentemente não tem.

Enquanto não define o tamanho do corte no Orçamento e quais programas serão preservados, o governo publicou, sexta-feira,  decreto que mantém para os meses de fevereiro e março a autorização para que os ministérios gastem até 1/18 avos do Orçamento aprovado pelo Congresso.

A decisão parece indicar que o governo quer uma economia maior até a aprovação do Orçamento pelo Congresso. É mais uma medida paliativa que deixa a economia em suspense sobre o que o governo vai fazer para equilibrar suas contas. E sem saber se essa falta de senso de urgência é reflexo da incapacidade de enxergar a gravidade da situação econômica ou da ausência de propostas para tirar o país da crise.