CONFIRA A ENTREVISTA

‘Para rir e se emocionar’, diz neto de Ariano Suassuna sobre filme Auto da Compadecida 2

Escritor não deixou uma obra de continuação, mas família garante que a coerência de Ariano será respeitada

  • Foto do(a) author(a) Carolina Cerqueira
  • Carolina Cerqueira

Publicado em 11 de maio de 2024 às 11:00

Filme estreia dia 25 de dezembro nos cinemas
Filme estreia dia 25 de dezembro nos cinemas Crédito: Divulgação/Conspiração Filmes

Um misto de lágrimas e risos. É o que promete o filme Auto da Compadecida 2, segundo João Suassuna. Ele é neto do escritor paraibano Ariano Suassuna, cujo livro inspirou a adaptação para o cinema do Auto da Compadecida 1, que estreou em 2000.

Quase 25 anos depois, o legado de Suassuna, que morreu em 2014, continua. Mesmo não tendo deixado um segundo livro, a família garante que a essência do escritor estará presente no segundo filme.

“Toda a coerência de Ariano vai ser respeitada e tenho certeza de que quem assistir vai conseguir sentir meu avô ali presente. Todo mundo vai rir e vai se emocionar muito”, disse João durante o evento em João Pessoa (PB) de anúncio da cerveja Brahma como principal patrocinadora do filme. O CORREIO esteve presente a convite da marca.

João Suassuna é historiador, advogado e neto de Ariano Suassuna
João Suassuna é historiador, advogado e neto de Ariano Suassuna Crédito: Carolina Cerqueira/CORREIO

O advogado e historiador conta que a família foi procurada pela Conspiração Filmes e H20 Films após a reexibição do Auto da Compadecida 1 pela TV Globo em 2020. “As novas gerações se encantaram e quem já tinha visto, 20 anos antes, voltou a se encantar. A gente assiste 50 vezes e não enjoa”, lembra João.

Ele destaca a preocupação com a coerência da obra cinematográfica, mas garante que o filme tem acompanhamento da família e tudo está sendo pensado dentro do “universo suassuniano”. Deixou também um spoiler:

“O Auto da Compadecida divide o posto de obra preferida de meu avô com A Farsa da Boa Preguiça. Esta última tem uma das mais queridas personagens femininas, que é Dona Clarabela. Ela vai estar no Auto da Compadecida 2, interpretada pela atriz Fabíola Nascimento”, conta João.

A continuação vai respeitar o espaço temporal passado desde o início da elaboração do primeiro filme (de 1999 a 2024). Para quem acredita em coincidências, os 25 anos se encaixam perfeitamente. É que o livro foi escrito por Ariano em 1955, mas retrata o contexto de 1930, revelando o mesmo intervalo.

Ariano Suassuna morreu em Recife, em 2014, vítima de uma parada cardíaca
Ariano Suassuna morreu em Recife, em 2014, vítima de uma parada cardíaca Crédito: Reprodução/Instagram

Para o neto do escritor, a data longínqua ajuda a provar que a obra, assim como o autor, é atemporal e universal. E reflete o cuidado da família de manter o legado de Ariano vivo.

“No seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, em 1990, meu avô disse: ‘Eis a força da tradição verdadeira, aquela na qual não nos limitamos a cultuar as cinzas dos antepassados, mas tentamos, sim, levar adiante a chama imortal que os animava’. A gente está levando adiante a chama dele”, garante o neto.

Além do segundo filme, outra iniciativa para manter a chama acesa é a exposição “O Auto de Ariano: O Realista Esperançoso”, que estreou no dia 14 de abril no Espaço Luzzco, em João Pessoa, cidade onde o escritor nasceu.

Este foi o local escolhido para o evento da marca de cerveja Brahma, no último dia 8, que anunciou o patrocínio do filme e ainda dos festejos de São João de diversas cidades pelo Norte e Nordeste, incluindo a já confirmada Amargosa, na Bahia.

Famosa frase do Auto da Compadecida na exposição em João Pessoa
Famosa frase do Auto da Compadecida na exposição em João Pessoa Crédito: Carolina Cerqueira/CORREIO

Para marcar e unir as duas iniciativas, um vídeo publicitário especial gravado com os atores Selton Mello e Matheus Nachtergaele, que interpretam Chicó e João Grilo, será lançado na próxima semana.

"Fazer o Chicó novamente, ao lado de João Grilo, é uma emoção gigante, que nunca imaginei revivier. Nosso time é de craques, faremos o Auto 2 à altura da grandeza do nosso filme do peito e celebrando a memória de Ariano Suassuna. O Brasil esperava e merecia este presente”, escreveu Selton Mello em suas redes sociais no ano passado, quando o filme foi anunciado.

"Aprendi muito a amar o Brasil e seus palhaços no sertão de Suassuna... no sertão brincante de nós! É muito emocionante reencontrar Chicó e João Grilo agora, 25 anos depois: que as Bodas de Prata do Auto da Compadecida sejam uma celebração e uma renovação pros corações! Bora, boda, Caxangá!", respondeu Matheus Nachtergaele.

O filme vai dar continuidade à amizade e às aventuras de João Grilo e Chicó, que teimam em sobreviver num país que nega a existência de pessoas como eles. Assim resumem os diretores Flávia Lacerda e Guel Arraes.

Segundo a Conspiração Filmes, o Auto da Compadecida 2 chegará aos cinemas no dia 25 de dezembro de 2024. Enquanto isso, o público pode se deliciar com a exposição sobre a vida e obra de Ariano Suassuna, visitada pela reportagem.

Como destaca o neto do escritor, a ideia é percorrer o Nordeste com a mostra, que já tem a próxima parada definida: Recife. Depois, a cidade cotada é Salvador, mas ainda sem previsão de data.

A exposição imersiva une histórias, amores, visão de mundo, obras e personagens de Ariano. No primeiro espaço, o público terá acesso a uma linha do tempo da vida do escritor. Em seguida, estará dentro do Circo da Onça Malhada, fundado por Ariano em 2007, durante sua gestão à frente da Secretaria de Cultura de Pernambuco.

No espaço seguinte, estão manuscritos, objetos e trajes originais do escritor. O destaque vai para a roupa usada na cerimônia de posse da Academia Brasileira de Letras. Depois, uma sala interativa retrata o universo do Auto da Compadecida, do céu ao inferno, com Maria, Jesus e o Diabo.

Por último, um vídeo em 360 graus é exibido, resumindo a vida de Ariano enquanto filho, escritor, dramaturgo, marido, pai e avô, numa mistura de lágrimas e risos.