Descubra 10 coisas que só existem em Feira de Santana

Conheça pontos turísticos e tradicionais da segunda maior cidade da Bahia

Publicado em 18 de setembro de 2017 às 07:54

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: .

O que é que Feira de Santana tem? Tem uma abóbora gigante no meio da cidade e tem um museu com projeções 3D sobre o espaço. Tem o famigerado Feiraguai, que abriga de tudo e mais um pouco para os compradores de plantão, e tem um tal de um bode assado famoso como ninguém. Dá para para usar telescópios e ver as estrelas, como também dá para passear por um casarão histórico e neoclássico, com inspirações alemãs.  Isso e mais um pouco - porque Feira é sempre uma surpresa! - estão à disposição de quem quiser dar uma passadinha pela Princesa do Sertão. Para facilitar sua vida, o CORREIO preparou um guia com alguns dos destaques da segunda maior cidade do estado - que completa nesta segunda-feira (18) 184 anos de emancipação política -  e aquilo que só se vê por lá. 

1.  Feiraguai – De tão conhecido, o local virou ponto turístico em Feira de Santana. Lá, é possível encontrar tudo: de eletrônicos a roupas e calçados, bem como objetos de decoração e artigos para carros. É o paraíso dos produtos importados chineses – e, nos últimos tempos, foi invadido por chineses mesmo. Ficou tão tecnológico que tem até site com catálogo de lojas e ofertas de produtos: www.catalogo.feiraguay.com.br.  Vai lá:  Praça Presidente Médici, Centro. A maioria das lojas funciona todos os dias, inclusive aos domingos e feriados, das 8h às 18h. (Foto: Arquivo CORREIO)  2.  Uma boate que virou abóbora -  Na verdade, não é abóbora. Era a Boate Jerimum, que fica, até hoje, às margens da Avenida Presidente Dutra. Foi criada na década de 1970 pelo arquiteto Amélio Amorim – que, hoje, dá nome ao Centro de Cultura onde fica a área da Jerimum – como parte da primeira etapa do Complexo Turístico Carro de Boi. Além da boate, o complexo incluía um restaurante regional. Desde a década de 1990, no entanto, está abandonada. Mesmo assim, onde mais você encontraria ruínas da abóbora logo na entrada da cidade além de Feira de Santana?  Vai lá: Só dá para ver, mas fica na Avenida Presidente Dutra, no Centro de Cultura Amélio Amorim.  (Foto: Acorda Cidade/Reprodução)  3.  Observatório Antares – Um dia, Feira de Santana decidiu que não apenas queria ver o mundo, mas queria ver o universo. Fundado na década de 1970, desde os anos 1990, o Antares é ligado à Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). Hoje, funciona como um centro de pesquisa de astronomia, física. As noites de quarta-feira, quando os visitantes podem conferir as sessões públicas com telescópio, são um dos destaques.  Vai lá: Rua da Barra, nº 925. Jardim Cruzeiro (Foto: Angeluci Figueiredo/Arquivo CORREIO)  4.  Mercadão da Cidade – Antes chamado de Villa Container Mall, era o primeiro shopping center em container do Brasil. Hoje, a mesma estrutura concentra restaurantes, hamburguerias e docerias. 

Vai lá: Av. Maria Quitéria, nº 2011, Ponto Central.  5.  Grife Guess – Pense numa cidade que gosta de ser a primeira em todos os aspectos. Pois bem: Feira também foi a primeira do Norte e do Nordeste do país a receber uma loja da marca estadunidense de roupas casuais Guess.  Vai lá: América Outlet, na BR-324. Funciona de segunda-feira a sábado das 9h às 21h e aos domingos das 11h às 19h. (Foto: Divulgação/ América Outlet) 6.   Arena Senador – Feira de Santana não tem praia, mas nem isso a limita. O novo point da cidade agrada especialmente aos fãs de Futevôlei – um dos esportes mais comuns nas areias pelo Brasil – têm um espaço de lazer com duas quadras, além de um campo de grama sintética. Para completar, um ambiente gourmet com quiosques e restaurantes.  Vai lá:  Rua Senador Quintino, bairro Olhos D’Água. Fica aberto das 6h à 0h. (Foto: Reprodução/ Instagram) 7.  Museu Parque do Saber – O espaço tecnológico tem um auditório com capacidade para 165 pessoas e poltronas fixadas em círculo para que os visitantes assistam a um teatro virtual. No planetário, é possível assistir filmes em 3D sobre o espaço e sobre o corpo humano. Vai lá: Rua Tupinambás, nº 275, São João. Funciona das 8h às 12h e das 14h às 18h, de segunda-feira à sexta-feira. Aos domingos, abre às 17h e fecha às 18h, para uma única exibição pública. Gratuito. (Foto: Divulgação)   8.  Casarão Fróes da Mota – A história conta que o coronel Agostinho Fróes da Mota visitou Hamburgo, na Alemanha, no início do século XX e, lá, se encantou por uma casa. Quando voltou à Feira, encomendou uma casa igualzinha. Dois anos depois, o casarão – que inclui 12 cômodos com inspiração neoclássica – estava pronto. Hoje, pertence à Fundação Senhor dos Passos.   Vai lá: Rua 10 de junho, nº 11 (Foto: Angeluci Figueiredo/Arquivo CORREIO) 9.  O bode – Comer bode assado em Feira de Santana é uma tradição. Muitos restaurantes oferecem a iguaria, mas o mais famoso mesmo é o Cantinho do Bode. Lá, a carne vem acompanhada de feijão, arroz, salada e farofa.  Vai lá: Conjunto Feira VI, Campo Limpo, Feira de Santana. Tel: (75) 3224-0376 (Foto: Angeluci Figueiredo/ Arquivo CORREIO) 10.  Museu Casa do Sertão – Vinculado à Universidade Estadual de Feira de Santana, o museu foi construído em 1978. Conta com um acervo do couro, uma discoteca de músicas sertanejas, uma biblioteca em estudos sobre a cidade e um acervo de Literatura de Cordel com aproximadamente 2.400 exemplares. Vai lá: Universidade Estadual de Feira de Santana - Av. Transnordestina, BR-116. (Foto: Reprodução/Facebook) Como chegar em Feira de Santana? É só pegar a BR-324 e encarar uma viagem de pouco mais de uma hora numa distância de 108 quilômetros de Salvador. Como a rodovia é concedida à Via Bahia, quem vai de carro vai encontrar dois pedágios, no valor de R$ 2,50 cada. Quem preferir ir de ônibus pode sair da Rodoviária de Salvador com a empresa Santana. A passagem do veículo executivo (que vai sem paradas em outros municípios) custa R$ 33.