Satélite: secretária considerada 'arquivo-vivo' é presa e causa pânico entre políticos do PT

Linha Fina Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Dolorum ipsa voluptatum enim voluptatem dignissimos.

Publicado em 23 de fevereiro de 2016 às 07:16

- Atualizado há 10 meses

Muito mais que o cerco da Lava Jato ao marqueteiro João Santana, foi a prisão de uma mulher em Salvador o motivo maior de pânico entre políticos do PT baiano. Desconhecida na cúpula do partido, a secretária executiva Maria Lúcia Guimarães Tavares é considerada um dos principais arquivos-vivos sobre distribuição de dinheiro de empreiteiras para campanhas de 2008 a 2012. Relação que inclui disputas encabeçadas por petistas no estado. Ontem pela manhã, ela foi detida sem alarde pela Polícia Federal em seu apartamento, na Rua das Acácias, Pituba, e rapidamente levada para o Paraná, sede da operação, onde era aguardada com ansiedade pelos investigadores. Delegados federais e procuradores da República dizem ter provas de que cabia a ela organizar, para operadores e intermediários de propinas, todas as transações em planilha, cujas somas e destinatários estão ocultados por códigos. Ainda, espera a força-tarefa da Lava Jato. No alto escalão do Palácio de Ondina, a prisão da personagem avermelhou o sinal de alerta.

Procura-se um ex-prefeitoEm local incerto e não sabido, o ex-prefeito de Salvador João Henrique (PR)  é procurado pelo Ministério Público Especial junto ao Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) para assinar um “AR”, sigla para “Aviso de Recebimento”. Em síntese, trata-se de uma notificação para que ele conteste - se possível - mais uma denúncia envolvendo liberalidades no manuseio de dinheiro público, caso sob apuração do TCM. É bronca, e daquelas, garante fontes da Corte. O problema é que, até agora, ninguém consegue descobrir onde o ex-prefeito está abrigado atualmente. Os Correios não o encontram nos endereços conhecidos.

Aposta nova no páreoEmpresário com bom trânsito entre comerciantes e trabalhadores do setor em Itabuna, Carlos Lee (PSB) lançou sua pré-candidatura a prefeito com estampa de azarão, mas começa a preocupar concorrentes no páreo. Em evento recente, juntou os pesos-pesados do partido - a senadora Lídice da Mata  e o deputado federal Bebeto Galvão -  e lotou um auditório com 400 pessoas para anunciar sua entrada na corrida . O barulho da festa socialista surpreendeu três potenciais adversários na disputa: o ex-prefeito Geraldo Simões (PT) e os deputados Davidson Magalhães (PCdoB) e Augusto Castro (PSDB).Não podemos ficar de braços cruzados e aceitar essa decisão que colocará pais de família sem empregoAlex Lima, deputado estadual do PTN, ao pedir união dos parlamentares baianos e do governador para impedir cortes de investimento da Petrobras no estado

Processo de repaginaçãoPré-candidato à prefeitura da capital com apoio do governador Rui Costa (PT), o deputado Pastor Sargento Isidório (Pros) quer reposicionar sua imagem para os eleitores antes que a disputa ganhe embalo. Aconselhado por especialistas em comunicação ligados ao Palácio de Ondina, Isidório tentará aparecer como um tipo de guardião dos consumidores, perfil adotado por inúmeros políticos, como o ex-prefeito João Henrique. A ideia é parecer menos folclórico e mais assertivo. O primeiro passo foi sugerir que a Bahia, assim como o Rio de Janeiro, adote a campanha De Olho no Preço, na qual o cliente leva de graça produto de supermercado com preço no caixa maior que o da prateleira.

PílulaEvangélicos na pista: Presidente do PRB da Bahia, a deputada federal Tia Eron reuniu ontem, em Salvador, pré-candidatos a prefeito do partido para explicar mudanças na campanha com a minirreforma política.