Mandetta chama Guedes de 'desonesto' e 'mentiroso' por suposto atraso das vacinas

"É inacreditável que o homem responsável pela economia do país esteja criando uma narrativa mentirosa para disfarçar a própria incompetência, dele e do governo do qual faz parte", disse o ex-ministro

Publicado em 17 de março de 2021 às 15:13

- Atualizado há 9 meses

. Crédito: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, contestou as declarações dadas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre um suposto atraso na compra de vacinas contra a covid-19. De acordo com o titular da economia, a compra dos imunizantes está atrasada desde abril, quando Mandetta ainda comandava a pasta.

"Desonesto, mentiroso. É inacreditável que o homem responsável pela economia do país esteja criando uma narrativa mentirosa para disfarçar a própria incompetência, dele e do governo do qual faz parte", afirmou o ex-ministro à coluna da jornalista Mônica Bergamo no jornal Folha de S.Paulo.

Guedes afirmou em entrevista à CNN Brasil que "no primeiro dia", Mandetta saiu com "R$ 5 bilhões no bolso" e que "desde aquela época deveríamos estar comprando vacina", pois o "dinheiro estava lá".

Mandetta justificou afirmando que os R$ 5 bilhões que o ministro se refere foram utilizados para a compra de 15 mil leitos de CTI (Centro de Terapia Intensiva) e equipamentos de proteção individual, como máscaras, e testes "que o governo não usou e deixou vencer".

"Em 16 de abril, eles me exoneraram, não me deixaram trabalhar porque o meu caminho sempre foi pela ciência. Eu sempre disse que o caminho de saída seria pela ciência e que compraríamos vacinas assim que tivéssemos a primeira oferta. A incompetência e o negacionismo, aos quais Paulo Guedes sempre fez coro, dizendo que a economia era o mais importante, nos levaram a essa situação, em que faltam imunizantes. Essa política está condenando pessoas à morte e empresas à falência, por responsabilidade dele e do governo", finalizou Mandetta.