Willian Farias fala sobre o Vitória e avisa: "não gosto de perder nem em par ou ímpar"

Volante ainda brincou ao entregar fama do amigo Tiago Real

Publicado em 24 de fevereiro de 2016 às 06:24

- Atualizado há um ano

“Deixa eu fazer uma cara séria para sair na foto. Volante dando muita risada não dá certo (risos)”. Foi em clima de bom humor que Willian Farias, 26 anos, recebeu a equipe do CORREIO e falou sobre o Vitória e sua carreira.Fora da foto, Willian Farias faz a linha tranquilão. De jeito simples, o paranaense de Curitiba é adepto de levar a vida com leveza, mas fecha a cara quando ouve o apito do árbitro dando início a uma partida. “Só fico nervoso no jogo, porque quero ganhar até em par ou ímpar. Eu não gosto de perder. Outro dia perdi um rachão para os moleques lá da base, fiquei puto”, conta.Willian Farias (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)Apesar de assumidamente competitivo, Willian Farias não tem vaidade. Para ele, quanto menos chamar atenção como destaque do jogo, melhor. “Fui zagueiro bem no início, mas a altura não ajudava. Aí fui jogar de volante e me identifiquei ali. Gosto de marcar, jogar para o time, carregar o piano nas costas, sabe? Assim como Amaral faz. Eu me sinto feliz quando a equipe ganha e os atacantes são os melhores, os destaques. É sinal que não sofremos tanto. O problema é quando volante, zagueiro e goleiro são os melhores”, confessa o volante, que tem 1,76m.A dedicação e a disciplina tática neste início de temporada já renderam até elogios públicos do presidente Raimundo Viana, que realçou a qualidade do substituto de Pedro Ken no meio rubro-negro.Emprestado ao Vitória pelo Cruzeiro até o fim do ano, Farias tem uma missão na Toca: retribuir. Quando foi procurado pelo diretor de futebol Anderson Barros, ele havia passado por situação delicada. “Me machuquei no Cruzeiro e fiquei muito tempo sem jogar, fiz cirurgia. Tentei negociar com outro clube, que não acreditou que eu estava bem. Foi quando surgiu o Vitória. Eles confiaram em mim. Tem menos visibilidade que o Cruzeiro? Pode ser que sim, mas é um clube que eu posso ter sequência maior, posso jogar, ser valorizado. É onde posso e quero ajudar”, avisa.A missão pelo Leão não deve ser tão difícil. Desde que chegou, ele já se sente em casa. “Sofri com o calor, mas estou adaptado. Reencontrei Marinho, que jogou comigo no Cruzeiro, e Tiago Real, que jogou no Coritiba comigo por uns 10 anos. O ambiente no Vitória também é muito tranquilo, muito alegre. Isso é importante, principalmente para mim que ainda estou sozinho. Minha esposa está grávida e só vem em maio, um mês após a minha filha nascer. Quando eles vierem, vou chamar o Tiago (Real) para fazer um churrasco aqui”, brinca o pai de Enzo,  1 ano e 9 meses.Cabeça no lugarWillian Farias também chama atenção fora dos campos. Não por desfilar com bonés, correntes de prata ou brincos brilhantes. Muito pelo contrário. Discreto, o jogador foge do estilo boleirão.“É uma carreira que tem que tomar cuidado, porque deslumbra muito. Tem que guardar dinheiro, pensar no futuro. Não me vejo parado daqui a uns anos, mas também não quero estar desesperado. Exemplo de gente que não vivia uma vida regrada e perdeu tudo não falta. Em relação a estilo de roupa, já usei tudo isso, mas passou. Hoje amadureci, tenho meu próprio estilo. Não ligo para essas coisas”.Pensar no futuro é importante, mas não precisa exagerar. “Tem muito jogador que pensa no futuro, uns até demais. Tem gente mão de vaca pra caramba, tipo o Tiago Real, que não gosta nem de pagar o almoço”, diz, aos risos.