Ex-síndico coleciona confusões antes de ser preso por atos golpistas

Aécio Lúcio foi demitido em São Paulo por justa causa

  • D
  • Da Redação

Publicado em 25 de abril de 2023 às 11:57

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Reprodução / Redes sociais

Um dos presos no ato golpista do dia 8 de janeiro, Aércio Lúcio Costa Pereira, coleciona confusões em um prédio de Diadema, na Grande São Paulo. Ele tem diversos xingamentos e boletins de ocorrência de moradores da época em que era síndico.

O participante do ato golpista foi funcionário da Sabesp desde 2014, sendo demitido no dia 11 de janeiro por justa causa, após vídeos circularem nas redes sociais mostrando Aécio invadindo o Congresso e participando das manifestações. 

"Amigos da Sabesp: quem não acreditou, estamos aqui. Olha onde eu estou: na mesa do presidente. Vai dar certo, não desistam. Saiam às ruas", disse no vídeo que publicou na web. 

Segundo o G1, a defesa de Aécio alegou à Justiça que o manifestante não tem antecedentes criminais, é réu primário, além de ter uma residência fixa e trabalhou durante 25 anos na mesma empresa.

"Aécio é um homem trabalhador, pai de família e honesto, tem esposa e filhos, um de 8 anos e outro de 17 anos, sendo este o único provedor de sua casa". 

Já em relação ao condomínio onde é síndico, a ex-conselheira do prédio alega que teve o braço segurado por ele, além de ter tentado dar tapas em sua boca. 

"Afirma que ele sempre que a encontra no condomínio a xinga de 'bruxa', 'louca', 'bruxa velha' e, pelo fato dele estar chegando cada vez mais próximo, isso deixa a declarante com muito medo do que ele possa fazer".

Ele também teve problemas com outros moradores, como uma professora xingada por Aércio, uma idosa que teve xingamentos proferidos pelo manifestante no WhatsApp, e até um outro idoso que perdeu fios de da caixa de energia retirados por Aécio.

Até o fechamento da reportagem, a defesa do manifestante não respondeu.