Andressa Urach defende submissão da mulher ao marido: "É o cabeça"

"Ela tem que cuidar do marido dela, tem que ser uma auxiliadora, uma companheira", diz a loira

Publicado em 16 de outubro de 2015 às 22:36

- Atualizado há 10 meses

Evangélica convertida depois de uma experiência de quase morte, a apresentadora Andressa Urach defendeu em entrevista à revista Sexy que a mulher seja submissa ao marido no casamento. "O homem é o cabeça. Ele foi criado para caçar, pra fazer o trabalho de força. Não é errado a mulher trabalhar, ser independente, ser vaidosa, só que ela não pode colocar o trabalho e o dinheiro em primeiro lugar. Ela tem que cuidar do marido dela, tem que ser uma auxiliadora, uma companheira", acredita. Andressa Urach participa de culto na igreja(Foto: Reprodução/Instagram)Andressa criticou as mulheres casadas que aparecem em público com decotes e roupas justas. "Por que expor meu marido dessa maneira?", questiona. A ex-modelo já posou nua, mas garante que não faria isso de novo. "Na época eu precisava, porque queria me prostituir e ficar famosa e, pra isso, queria ser capa de revista. Hoje não é mais esse o meu sonho", afirma. 

Depois de se relacionar com vários tipos de homens - até bandidos, segundo relatou em sua biografia recém-lançada -, agora Andressa procura outro tipo de parceiro, que respeite sua fé. "Hoje, pra eu ter uma relação, vai ser conforme o que está escrito na Bíblia. Relacionamento sexual só depois do casamento, o homem precisa ter a mesma fé que a minha".

Ela classificou seu corpo de "bomba-relógio" ao falar dos seus problemas de saúde. Andressa ficou internada e passou por cirurgias por conta de uma infecção nas pernas causada por injeção do PMMA, um preenchimento feito dentro do músculo e que não sai mais.

"Eles dizem que tenho dentro do meu corpo uma bomba-relógio. A qualquer momento o PMMA, necrosado no meu músculo e no meu glúteo, pode inflamar e eu posso ir a óbito", conta. Andressa diz que nunca soube dos efeitos e perigos da substância. "Se soubesse o que estava fazendo, não teria gastado o que gastei. Jamais teria aplicado".