Morador de rua é preso por matar catador de latas a pauladas na Barra

Railson Rodrigues dos Santos, 19 anos, confessou o crime e contou detalhes da ação depois de ser preso na Avenida Oceânica

Publicado em 7 de fevereiro de 2016 às 18:55

- Atualizado há 10 meses

O morador de rua Railson Rodrigues dos Santos, 19 anos, foi preso na manhã deste domingo (7) suspeito de matar um catador de latas a pauladas próximo ao Morro do Cristo, na Barra. De acordo com a Polícia Civil, Railson, que é maranhense e estava em Salvador desde janeiro, confessou o crime e contou detalhes da ação depois de ser localizado, enquanto dormia, na Avenida Oceânica. Ele foi preso seis horas depois de a polícia encontrar a vítima no Morro do Cristo.

O corpo da vítima, que aparenta ter 25 anos,  encontra-se no Instituto Médico Legal (IML), aguardando identificação. Ele foi morto a pauladas e pedradas.

Em depoimento, Railson contou que ele e a vítima trabalhavam no circuito Dodô, onde se conheceram. Segundo ele, que é morador de rua e usuário de drogas, o agente de reciclagem o teria convidado para usar cocaína no Morro do Cristo, mas chegando ao local foi assediado pela vítima, que tentou estuprá-lo.

Sob efeito de drogas, ele pegou um pedaço de pau e acertou a cabeça da vítima, deixando o local, em seguida. Contou que foi usar mais cocaína e meia hora depois retornou ao Morro do Cristo agrediu mais vezes o catador. Ao se dar conta de que o catador ainda permanecia vivo, Railson bateu mais e se afastou do local.

VEJA TUDO O QUE ESTÁ ROLANDO NO CARNAVAL

Ainda em depoimento, Railson contou que voltou pela terceira vez à cena do crime por volta das 3h deste domingo (7) e que percebeu que a vítima ainda respirava. Ele então agrediu o catador com pedradas para se certificar se ele havia morrido. Ele entõ voltou ao circuito para curtir o Carnaval e foi preso enquanto dormia na Rua do Cristo, na Avenida Oceânica, próximo ao local do crime.

Segundo a Polícia Civil, Railson não tem parentes na Bahia e já morou em várias capitais do país. Em Brasília, em novembro do ano passado, foi esfaqueado por um morador de rua também e, desde então, usa uma bolsa de colostomia. Entre as muitas passagens pela polícia, enquanto adolescente, tem registrado um homicídio.Autuado por homicídio, Railson seguirá para o Núcleo de Prisão em Flagrante (NPF), no Complexo Penitenciário da Mata Escura. Um pedaço de pau sujo de sangue foi encontrado próximo ao corpo da vítima e encaminhado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) para perícia.

Balanço da segurançaEm entrevista ao CORREIO na tarde deste domingo, no Campo Grande, o secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa, afirmou que é muito difícil conseguir prever tudo que vai acontecer em um Carnaval que envolve mais de 2 milhões de pessoas. "Nós trabalhamos com três circuitos oficiais, oito carnavais de bairros e tem festa em outros 44 municípios, além de outras festas como Fuzuê, Furdunço, Iemanjá, dentre outros. E tudo saiu dentro da mais absoluta paz e tranquilidade. O que a gente via antigamente, que eram muitos disparos de armas de fogo, como no Carnaval passado, conseguimos reduzir muito", disse. 

BAIXE O FAROL: O APLICATIVO QUE VAI TE GUIAR NO CARNAVAL

Maurício Barbosa também comentou sobre as duas mortes registradas nos circuitos do Carnaval este ano. "A gente está vendo mortes que são praticadas com uma faca furtada de um restaurante em Ondina – você não tem como controlar todos os acessos – e a outra, na madrugada, a pauladas, ambas motivadas por disputas anteriores entre as pessoas", avaliou.

Ainda segundo o secretário, houve um aumento no volume de armas de fogo e drogas apreendidas, bem como de pessoas detidas por conta do tráfico e uso de entorpecentes. "Atrelados a esses indicadores, houve uma redução de 12% nos casos de lesão corporal e de 25% nos roubos, que é um crime de maior severidade, que expõe a vida das pessoas, além de subtrair um bem material". Paa ele, os números da segurança são positivos. "Houve um aumento da produtividade em alguns indicadores de até 50%", disse. 

*Com informações do repórter Donaldson Gomes