Alison dos Santos derruba duas barreiras e fica em 5º no Mundial

Campeão em 2022, brasileiro termina prova longe do pódio, com marca de 48s10; Karsten Warholm é o campeão, com 46s89

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 23 de agosto de 2023 às 17:35

Alison dos Santos ficou em 5º nos 400m com barreiras
Alison dos Santos ficou em 5º nos 400m com barreiras Crédito: Wagner Carmo/CBat

Alison dos Santos, o Piu, não conseguiu subir no pódio nos 400 metros com barreiras no Mundial de Budapeste, na Hungria. Defendendo o título conquistado em 2022, o brasileiro tropeçou em duas barreiras e acabou cruzando apenas na quinta posição, com alta marca de 48s10.

Recordista mundial, o norueguês Karsten Warholm, que cravou 45s94 na final dos Jogos Olímpicos de Tóquio, fechou em primeiro, com 46s89. A prata ficou com Kyron McMaster, das Ilhas Virgens Britânicas, com 47s34, seguido pela americano Rai Benjamin, com 47s56.

"Foi uma prova que tenho de estudar, ver o vídeo com calma. Estava com falta de ritmo, final é final, entreguei meu máximo, mas estou bastante chateado", lamentou o atleta ao SporTV. "Competi pouco na temporada e isso acaba refletindo nesta prova. Mas estou feliz e grato or estar aqui. Ano que vem em Paris (Jogos Olímpicos) estarei de volta mais rápido e mais forte", afirmou.

Piu ganhou o Mundial de 2022 com 46s29 em Eugene, nos Estados Unidos, com marca que daria o ouro novamente nesta quarta-feira. Benjamin ficou com a prata na edição passada e Trevor Bassitt com o bronze. Naquela competição, Warholm voltava de lesão, perdeu desempenho ao longo da final e cruzou somente em sétimo.

O tempo de 47s38 nas semifinais em Budapeste havia sido a melhor marca do brasileiro na temporada, na qual perdeu muitas provas por causa da artroscopia para retirada parcial do menisco lateral do joelho direito, realizada em fevereiro. Repetir a marca valeria o bronze, mas as barreiras derrubadas custaram o pódio. "Bater na barreira é muito triste, a gente sabe quantos milésimos perde".

Outros brasileiros

Ainda nesta quarta-feira, a experiente Jucilene de Lima, de 32 anos, finalmente conseguiu avançar à final do lançamento do dardo em Mundiais. Em sua quarta participação na competição, avançou à decisão de sexta-feira com a 11ª marca. Ela cravou 59,76 metros para fechar sua eliminatória na quarta posição.

O Brasil ainda terá representantes buscando finais nesta quinta-feira, com Renan Gallina, nos 200 metros rasos - ele passou às semifinais com 20s44 e na sexta-feira, com Flávia de Lima, que cravou sua melhor marca da temporada nos 800m, com 2mi00s92, sua melhor marca na temporada, e avançou para as semifinais, que serão na sexta-feira.