JULGAMENTO

Imprensa europeia critica defesa e diz que Daniel Alves deve ser condenado

Os atenuantes indicados pela advogada são o consumo de álcool, reparação de danos e violação de direitos fundamentais por suposta parcialidade no processo judicial

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 9 de fevereiro de 2024 às 14:12

Daniel Alves está preso na Espanha
Daniel Alves está preso na Espanha Crédito: Reprodução/Instagram

As audiências do julgamento de Daniel Alves, acusado de estuprar uma mulher em uma casa noturna de Barcelona, tiveram forte repercussão na imprensa europeia. O jornal francês Le Parisien, por exemplo, publicou uma matéria com o título "A frágil defesa de Daniel Alves", após o último dia de depoimentos ao Tribunal de Barcelona, na quarta-feira. O texto assinado por François David, correspondente do periódico na Espanha, classifica como "terríveis" os argumentos apresentados pela advogada do brasileiro, Inés Guardiola.

Já o diário esportivo L'Equipe, também da França, onde o jogador defendeu as cores do Paris Saint-Germain, escreveu que "há poucas chances" de o brasileiro ser absolvido, como pede a defesa. Como pena alternativa à absolvição, Inés Guardiola propôs um ano de prisão, período já cumprido de forma preventiva, e multa de 50 mil euros.

Os atenuantes indicados pela advogada são o consumo de álcool, reparação de danos e violação de direitos fundamentais por suposta parcialidade no processo judicial. A acusação privada contratada pela vítima pede a pena máxima de 12 anos de prisão e o Ministério Público, nove. De acordo com o jornal espanhol Marca, a juíza Isabel Delgado Pérez tem até 20 dias, contados a partir desta quinta-feira, para tomar uma decisão sobre o caso.

"Alves estava tão embriagado a ponto de não se lembrar mais dos detalhes de sua relação com a suposta vítima?", questionou o L'Equipe em seu texto. A embriaguez do jogador foi citada diversas vezes pela defesa e por testemunhas como Bruno Brasil e Joana Sanz, amigo e mulher de Daniel, respectivamente. O atleta de 40 anos também disse ter "bebido demais", além de ter afirmado que a relação com a jovem foi consensual.

A imprensa espanhola deu bastante destaque ao depoimento do brasileiro. "Em nenhum momento ela me disse que não queria nada", foi a frase de Daniel Alves destacada pelo El País em sua matéria sobre a audiência. O La Vanguardia também reproduziu um argumento do jogador: "Estávamos aproveitando". Na Inglaterra, o The Guardian destacou a noite de "angústia e terror" descrita pela advogada da denunciante durante a audiência.

OS DIAS DE AUDIÊNCIA

O julgamento foi presidido por uma mulher, a juíza Isabel Delgado Pérez, acompanhada pelos magistrados Luís Belestá Segura e Pablo Diez Noval. As sessões aconteceram de forma aberta, com a presença da imprensa em sala à parte, mas captações de áudio e imagem foram vetadas.

A mulher que denunciou Daniel Alves teve a identidade preservada e realizou o depoimento na segunda-feira, protegida por um biombo para que não tivesse contato visual com o jogador. A imagem dela foi reproduzida em vídeo para os presentes, com a imagem e voz distorcidas. A medida visou proteger a identidade da denunciante. Sua versão durou cerca de 1h30min e ela reafirmou ter sido violentada pelo atleta.

Na segunda sessão, na terça-feira, foram ouvidos três amigos do jogador que estavam na casa noturna; três empregados da casa noturna; advogado convocado por uma amiga da denunciante; 11 policiais; e policial que gravou o relato da vítima da suposta agressão do brasileiro com uma câmera na farda.

Joana Sanz, mulher de Daniel Alves, também depôs. A versão dela, dos amigos e do gerente mencionam o estado de embriaguez do jogador no dia do caso. Além deles, um sócio da casa noturna foi ouvido e chegou a dizer que a mulher confessou a ele que entrou no banheiro da boate de maneira voluntária, mas foi impedida de sair depois.

No terceiro e última dia foram ouvidos peritos forenses, policiais científicos e peritos da defesa, além do próprio acusado. Daniel Alves chorou durante a sua fala e afirmou que a relação foi consensual. O jogador afirmou que consumiu bebida alcoólica e disse, ainda, que não forçou a denunciante a entrar no banheiro onde a suposta agressão sexual teria ocorrido. A audiência da quarta-feira foi o último dia dos depoimentos. Agora, a Corte tem prazo de 20 dias para anunciar a sentença.