Pura Sinergia

Nos braços da torcida, elenco do Vitória desembarca em Salvador

Torcida do Vitória faz "AeroNêgo" para recepcionar elenco após confirmar acesso

Publicado em 13 de novembro de 2023 às 21:42

Vitória desembarcou em Salvador com festa da torcida
Vitória desembarcou em Salvador com festa da torcida Crédito: Paula Fróes/CORREIO

O sorriso no rosto acompanhado da camisa vermelha e preta não deixavam mentir: o torcedor do Vitória vive a melhor semana dos últimos anos. Venceu de virada o Novorizontino, garantiu o acesso para a Série A e nesta segunda-feira, fez o que se deve fazer em momentos assim: comemorar. Os rubro-negros pintaram o aeroporto de Salvador para recepcionar a delegação presente na partida que consolidou o retorno do Leão à elite.

O avião com os heróis rubro-negros chegou em Salvador por volta de 16h15. Naquela altura, a torcedora Gildete Brasil já esperava o elenco há mais de 4 horas. Vestida com sua camisa rubro-negra, não abriu mão de levar algumas folhas de arruda para incrementar o visual. "É para tirar o olho gordo de cima do meu Vitória", disse a sergipana, que declarou ser baiana de coração e torcedora do Vitória desde 1970, por influência do ex-marido, com quem se mudou para a capital baiana cinco anos antes. Gildete contou que deixou de ir ao Barradão com receio da violência, mas não abre mão de estar nas festas do aeroporto. "Eu gosto do clima daqui. A galera (jogadores) é gente boa, tira foto com a gente", afirmou.

Dona Gildete foi presença constante nos AeroNêgos
Dona Gildete foi presença constante nos AeroNêgos Crédito: Paula Fróes/CORREIO

Dona Gildete e as centenas de rubro-negros presentes não precisaram esperar os jogadores chegarem de São Paulo para começar a festa. Animados pela bateria e com a força das próprias vozes, entoaram diversos cânticos que embalaram o melhor mandante da Série B, com 13 vitórias, 3 empates e apenas 2 derrotas, um aproveitamento de quase 78% nos 18 jogos até então disputados em casa na competição.

Antes da chegada do elenco, os torcedores puderam tietar os jogadores que não viajaram para o interior paulista. O mais aclamado foi o goleiro Dalton, titular em boa parte da campanha da Série C no ano passado. Aos gritos de "uh, é paredão, o goleiro do Leão", o arqueiro celebrou a conquista do acesso e se declarou para a torcida.

“Essa torcida é colossal e carregou nosso time nas costas por mais um ano. No ano passado foi dessa maneira e esse ano também. Se não fosse pelo apoio deles, não sei se a gente conseguiria os acessos. Então é tudo por eles. A gente passa e o que nós conquistamos no clube é o que fica, então o que deixamos é o nosso legado, nossas conquistas, acessos e o um título que está por vir”, disse Dalton, que ainda ressaltou a vontade de ser campeão só no sábado, diante do Sport, no Barradão. Vale lembrar que o título pode vir hoje, caso o Criciúma não vença o Guarani.

Se Dalton quer esperar, a torcedora Bela Souza prefere que o jogo de sábado seja só a festa da conquista nacional. Frequentadora do Barradão desde os 12 anos de idade, ia com a mãe Marlene, que era tricolor, mas vestia a camisa do Vitória (literalmente) e levava a filha rubro-negra para assistir os jogos. "Muita gente olhava feio, criticavam por estar no estádio, chamavam de mulher macho", relembra a agora mãe de Bruna Vitória, de 14 anos, e Matheus, de 6, que acompanhavam Bela no aeroporto. A tradição de ir ao estádio do Leão foi passada para os filhos. Bela conta que, por pouco, a mais velha não nasceu em pleno Barradão. "Eu estava em um jogo e de lá, fui direto para o hospital", relata aos risos.

Bela, os filhos e os demais torcedores puderam curtir com os jogadores e comissão técnica por cerca de 40 minutos, com direito a festa em cima do ônibus, selfies e, claro, muita provocação ao Bahia. Até o capitão Zeca relembrou os tempos em que vestiu a camisa do rival.

"Que bom que não deu certo, né?", riu o jogador. "Graças a Deus eu sou feliz aqui. É totalmente diferente o calor da torcida. Eu não quero criticar ninguém, mas eu sou feliz aqui e me tornei feliz aqui. Aprendi a amar essa torcida maravilhosa, ao povo baiano. Mas essa torcida que vem nos apoiando só tenho a agradecer muito, gratidão"

Zeca
lateral do Vitória

Outro que esteve entre os mais festejados foi o atacante Welder, autor do gol de pênalti que sacramentou o acesso do Leão contra o Novorizontino. O centroavante contou que, em conversa com um amigo, o atacante do Leão "profetizou" o gol com a camisa do rubro-negro. “Eu falei com ele na semana passada, no jogo em casa [diante do Vila Nova]. Falei ‘Cara, vou fazer o gol da acesso’. Tive a oportunidade e não fiz. Mas consegui fazer hoje. Eu falei depois ‘Tá tranquilo. Agora vai ser melhor ainda, vai ser o gol do acesso e do título. Eu vou fazer. Tu me conhece’”, revelou Welder, antes de cair na festa com a torcida.