ENCHENTES NO SUL

Presidente do Grêmio critica continuidade do Brasileiro com tragédia no Sul: 'Salvar vidas'

CBF adotou como medida o adiamento dos jogos de Grêmio, Internacional e Juventude

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 8 de maio de 2024 às 13:25

Alberto Guerra, presidente do Grêmio, concede entrevista ao canal SporTV
Alberto Guerra, presidente do Grêmio, concede entrevista ao canal SporTV Crédito: Reprodução SporTV

Um misto de indignação e solidariedade. Esse foi o tom da entrevista do presidente do Grêmio, Alberto Guerra, ao se referir sobre a tragédia que atingiu o Estado do Rio Grande do Sul e que causou muitos estragos na região. Ele ainda criticou a continuidade do Campeonato Brasileiro em meio ao caos que aflige a população gaúcha. "Preocupação é salvar vidas".

Diante das fortes chuvas, a CBF adotou como medida o adiamento dos jogos dos três times do Estado (Grêmio, Internacional e Juventude) por um período de 20 dias. O cenário dramático despertou a solidariedade de vários clubes, que ofereceram suas instalações. Guerra, no entanto, descartou totalmente essa possibilidade.

"Não tem como pensar em futebol neste momento. Temos jogadores que perderam suas casas, funcionários dos clubes resgatados por helicópteros nos telhados de suas residências. Eles perderam familiares, perderam tudo que construíram durante toda uma vida. A área do Olímpico está sendo usada para receber doações. A Arena (do Grêmio) está acolhendo todos os flagelados do bairro do Humaitá, onde o estádio se situa. Nossa preocupação tem sido salvar pessoas", disse Guerra em entrevista ao Sportv na noite de terça-feira.

A paralisação do Campeonato Brasileiro foi um tema abordado pelo dirigente. Ele, inclusive, afirmou que parte dos presidentes do clubes foi favorável ao adiamento completo. No entanto, por não ter proximidade com a realidade dos estragos que as chuvas provocaram, alguns representantes das equipes que estão no Nacional acabaram optando pela sequência do torneio.

"Sou da opinião de que deveria parar. No mínimo, uma ou duas rodadas. Alguns se mostraram favoráveis, mas nem todos têm a verdadeira dimensão. Outros (dirigentes) se silenciaram e se mostraram reticentes", comentou.

A CBF adiou os jogos de todos os clubes gaúchos até o dia 27 de maio. A Conmebol também entrou em ação e suspendeu a partida da próxima rodada da Libertadores, que seria contra o Estudiantes. Outra dificuldade diz respeito aos deslocamentos, já que o aeroporto Salgado Filho está com as atividades paradas até o dia 30 de maio.

Em meio ao cenário de caos, a rivalidade centenária entre os clubes do Sul deram uma trégua em nome da solidariedade. "Tenho falado muito com o Alessandro Barcelos (presidente do Internacional), o próprio Fábio Pizzamiglio, (mandatário do Juventude). Estamos irmanados nessa mesma luta. Não tem como pensar em treinar com pessoas que estão em abrigos, hotéis. Eu me recuso a falar de futebol, como presidente do Grêmio. Neste primeiro momento, temos de ajudar o próximo. Depois teremos as ações humanitárias e, num terceiro momento, a reconstrução. Quando vai ser isso, não tenho a resposta", disse Alberto Guerra