SÉRIE A

Presidente do Inter diz que adiamento dos jogos do Brasileirão por 20 dias é insuficiente

Alessandro Barcellos reforçou que prioridade agora é ajudar a população gaúcha que vem sofrendo com as enchentes no Rio Grande do Sul

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 8 de maio de 2024 às 16:45

Alessandro Barcellos, presidente do Internacional
Alessandro Barcellos, presidente do Internacional Crédito: Ricardo Duarte/Internacional

O prazo de 20 dias dado pela CBF, sobre o adiamento dos jogos do Brasileiro das equipes gaúchas afetadas pelas chuvas no Rio Grande do Sul, foi considerado insuficiente pelo presidente do Internacional, Alessandro Barcellos. De acordo com o dirigente, esse período não é suficiente para que Grêmio, Internacional e Juventude consigam se reorganizar e voltar a pensar em futebol.

O mandatário reforçou em seu discurso que a prioridade dos clubes agora é auxiliar a população gaúcha que vem sofrendo com os temporais que atingiram a região na última semana.

"As pessoas podem pensar que foi uma região específica da cidade Mas não. Afetou o estado inteiro. Cidades foram devastadas. Em Porto Alegre, 85% do município está sem água. Esse tempo (20 dias de adiamento dos jogos) é insuficiente para pensar em futebol. É uma medida inicial que tira parte do problema urgente, mas não resolve", disse Barcellos nesta quarta-feira (8).

O presidente do Inter revelou que vem mantendo conversas diárias com os representantes do Grêmio e do Juventude. Os três clubes, representam, segundo o dirigente, o estado nesse momento de dificuldade.

A solidariedade manifestada pelas agremiações de todo o país foi lembrada pelo dirigente gaúcho. Clubes como Atlético-MG, Athletico-PR, Palmeiras, São Paulo e Flamengo colocaram à disposição dos times do Sul suas instalações.

Apesar do sentimento de gratidão, Barcellos fez um questionamento sobre a continuação do Campeonato Brasileiro em meio à tragédia que vive a população do Rio Grande do Sul.

"Seria possível vir jogar em algum campo que temos aqui? Viajar até Florianópolis e pegar 13 horas de ônibus, porque as entradas da cidade não existem? Desculpe a veemência, mas é o sentimento de quem está dentro da água ajudando as pessoas. Estamos bastante abalados e não vamos colocar o futebol na frente da vida", afirmou.

Com o CT e o estádio do Beira Rio alagados, a diretoria chegou a cogitar a utilização das instalações das categorias de base, localizada na cidade de Alvorada. No entanto, todas as atividades envolvendo o futebol estão suspensas até segunda-feira. O elenco profissional segue sem treinar desde o final de semana, quando as chuvas atingiram o estado.